quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Entrevista com Neide Sabino - Autora de: BELA, A BORBOLETA AMARELA

Pedagoga, orientadora educacional. estudiosa e pesquisadora das culturas de matriz africana especificamente a cultura yorubá no Brasil e Nigéria.










Implementar na sala de aula o tema afro brasileiro atendendo a lei 10.639, preenchendo uma lacuna existente na educação infantil.
Bela inicia sua aventura pelos recantos africanos, conhecendo novos amigos e será levada a uma empolgante viagem pelo fascinante país dos yoruba, pelas asas de Labalábá Pupa e Odidé onde conhecerá o povo e sua cultura ancestral.





A fascinante trajetória de um ovo até sua completa metamorfose em uma borboleta.  Do ovo ao casulo, do casulo a transformação, da transformação ao primeiro voo, relatado de forma simples e levando um pouco de informação da maravilhosa natureza que nos cerca.



Olá Neide. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro fala sobre uma borboleta que é apanhada por um forte vento que a leva para África.
A ideia surgiu com o intuito de se falar um pouco de cultura africana desvinculada da religiosidade. O livro foi escrito para o publico infantil em fase de alfabetização e traz palavras em língua Yorubá ( falada na Nigéria).

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Meu primeiro livro (Bela, a borboleta amarela) também editado pela Scortecci foi produzido a partir de um projeto realizado por mim em sala de aula. O projeto falava sobre metamorfose e para fechar o mesmo, busquei livros que retratassem algo próximo do que havíamos trabalhado. Como tudo me desagradava, ousei criar esse material. Pretendo escrever mais futuramente, e também já plantei algumas arvores, tive meus 3 filhos.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Difícil, mas o prazer que se sente quando alguém manuseia e se interessa por alguma obra é muito compensador. Eu como professora sempre incentivei meus alunos a lerem, desde cedo e hoje me orgulho de vê-los comentando e discutindo sobre o que aprenderam com os livros.

 Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Um amigo (Mauro) que é divulgador no colégio em que trabalho, viu minha busca pelo material para encerrar o projeto. Como ele me viu contrariada com o que me era apresentado, sugeriu que eu produzisse aquilo que queria. Em uma de nossas conversas me indicou sua esposa Maria Esther que me acolheu e orientou nesse percurso.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Acredito que sim, meus dois livros foram fundamentados para ajudar alguém. O primeiro (BELA, A BORBOLETA AMARELA) como ideia de projeto de pesquisa para educação infantil e o segundo (BELA A BORBOLETA AMARELA E O ENCONTRO COM LABALÁBÁ PUPÁ) como apoio a lei 10.639 na educação onde apresento um pouco do idioma que pesquiso e estudo referente a cultura afro e afro brasileira.

Obrigado pela sua participação.

Um comentário: