segunda-feira, 16 de março de 2015

Entrevista com Luiz Ferreira da Silva - Autor de: VELHOS TEMPOS DE INFÂNCIA

O autor é natural da Cidade de Coruripe, Alagoas. Veio para Maceió em 1950 onde concluiu o curso secundário. No Rio, formou-se em Agronomia pela UFRRJ. Especializou-se em Solos e foi Pesquisador da CEPLAC/BA, período no qual publicou 75 artigos científicos e 5 livros técnicos consentâneos.
Depois de aposentado, passou a se dedicar a literatura e publicou 13 livros, abrangendo crônicas e ficção, 8 dos quais pelo Grupo Editorial Scortecci.



Trata-se de lembranças de infância vivida no interior do Nordeste, no período de 1937 a 1949. O autor enaltece o nível educacional que recebera através da Escola Pública de qualidade; o dia-a-dia das crianças eivado de criatividade e gosto pela Natureza, absorvendo os seus ensinamentos, básicos para o futuro; o mundo lúdico infantil da época e a rígida educação doméstica. Finaliza com uma discussão sobre o hoje e fornece subsídios para o desenvolvimento sustentável de sua terra, cujos recursos naturais foram deteriorados com a monocultura da cana-de-açúcar.


Olá Luiz. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Trata-se de um resgate dos tempos idos, década de 40, do mundo infantil vivido, registrando o modus fasciendi da época, na expectativa de contribuir para a história da minha modesta terra.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Depois de aposentado, passei a me dedicar à literatura e publiquei 13 livros, 8 dos quais pelo Grupo Scortecci. Como Agrônomo, plantei e continuo plantando árvores, edifiquei uma família e, para ativar os neurônios, continuo escrevendo sobre o cotidiano, bem como editando um jornalzinho, o Agrissênior Notícias, já há mais de 10 anos.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Não sou um profissional e nem vivo desta arte. No Brasil, ela é pouco reconhecida, haja vista o seu povo de baixo nível cultural e educacional, sobretudo pelo descaso do Governo. Tempos atrás, as Escolas Públicas eram de qualidade e a leitura priorizada.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Através da Internet.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Representa um período lúdico da infância nordestina, registra uma história e poderá servir de subsídios a estudos comparativos das infâncias em regiões distintas. Como neste mesmo período era a infância pobre - por exemplo - em Cambé, no Paraná?


Obrigado pela sua participação.

Outras obras do autor, a venda na Asabeça (clique na imagem).

   

3 comentários:

  1. Parabéns, Luiz. Eu também me orgulho de ter estudado em escola pública. Mudanças fazem parte da vida, mas a qualidade de ensino deveria sempre mudar para melhor...
    Sucesso com suas obras. Abraço.

    ResponderExcluir
  2. Eu escrevi um outro livro: TRIBUTO À ANTIGA ESCOLA PÚBLICA. UMA HOMENAGEM AO COLÉGIO ESTADUAL DE ALAGOAS.

    ResponderExcluir
  3. Eu escrevi um outro livro: TRIBUTO À ANTIGA ESCOLA PÚBLICA. UMA HOMENAGEM AO COLÉGIO ESTADUAL DE ALAGOAS.

    ResponderExcluir