sexta-feira, 5 de junho de 2015

Entrevista com Osmar Baptista Silva - Autor de: SE PRECISAREM DE MIM, ME CHAMEM

O Osmar participou conosco da festa do lançamento oficial do Blog, no Espaço Scortecci, no dia 04 de outubro. Foi um dos premiados com uma entrevista em vídeo.

Na sequência da entrevista, veja o vídeo com Osmar.

Osmar Baptista Silva
Nascido em Santos-SP, em 1939, Osmar Baptista Silva foi técnico industrial, graduando-se depois em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo-SP. Por muitos anos esteve envolvido profissionalmente no ramo industrial, na área técnica  e comercial. Tornou-se um autodidata na área de desenvolvimento do ser humano e cultura espiritual. Hoje aposentado, dá palestras sobre vendas e sobre desenvolvimento pessoal, e lança agora seu primeiro livro Se precisarem de mim, me chamem  tentando repassar suas experiências em acessar as forças interiores para realizar mudanças. O autor é casado, tem três filhas e vive em São Paulo-SP.

O autor descreve uma história real, desenvolvida em várias etapas durante anos de sua vida. A experiência espiritual que viveu ainda criança o lançou, ainda muito jovem, na busca pelo conhecimento do ser humano, sua estrutura física, mental e espiritual. Anos depois, devido um acontecimento traumático por qual passou, o autor se vê frente à algo que ocorria dentro de si, sobre o qual não tinha nenhum controle, que afetava o seu desempenho no trabalho e comprometia sua saúde. Ele relata, então, a sua decisão de buscar, por si próprio, um método que permitisse resolver seu problema. O autor descreve os conceitos de múltiplas inteligências (Racional, Emocional e Corporal) que utilizou, como também os métodos práticos que não eram estudados pelos meios científicos e acadêmicos convencionais na época (década de 1970), e conta, passo a passo, como conseguiu acessar o seu subconsciente e produzir os resultados desejados. Com o sucesso na resolução do seu trauma, o autor relata ainda, em linguagem simples e acessível, outras experiências que realizou utilizando o mesmo canal de acesso, resolvendo agora problemas de relacionamentos, de controle de peso e de saúde.
Olá Osmar. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Meu livro, “SE PRECISAREM DE MIM, ME CHAMEM”,  é uma história real que começou quando eu, ainda criança, tive uma experiência espiritual muito forte que me
conduziu, na minha juventude,  à vontade de conhecer as religiões, o mundo espiritual e a mente humana. Por casualidade, na vida adulta, eu tive um acidente com minha filha que me deixou traumatizado. Resolvi então fazer experiências para tentar atuar, por mim mesmo, na causa desse problema. Utilizando conceitos e procedimentos, até então desconhecidos, comecei a fazer acessos ao subconsciente com a finalidade de apagar o registro da emoção que causava o trauma.
Como fui bem sucedido, passei a explorar os mesmos recursos para realizar outras façanhas, na área de saúde e relacionamentos, chegando a bons resultados e tirando conclusões interessantes com essas experiências. Achei, então, que as minhas experiências poderiam ajudar outras pessoas. Eu fui ajudado por muita gente durante a minha vida. Nunca as esqueci. Mas, em grande parte das vezes, eu não tive a oportunidade de agradecer e nem de fazer nada por elas. Com a ideia do livro achei, então, que havia chegado a minha vez de ajudar  outras pessoas, relatando as minhas experiências.
 Meu livro, portanto, destina-se ao público que busca conhecimentos para enfrentar problemas pessoais, principalmente aqueles  causados por emoções desagradáveis  na infância ou vida adulta e que afetam o seu comportamento, saúde e relacionamentos.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Eu sou administrador aposentado, nascido em 1939, em Santos - SP. Sou esportista e adoro a vida, apesar dela nos reservar surpresas e desafios, que, de certa forma, eu os considero como degraus para a nossa aprendizagem e evolução. Sou apreciador  da natureza, dos animais e do ser humano,  e considero cada uma dessas categorias como um universo a ser explorado.
Como iniciante na arte das letras, estou dando os primeiros passos para aprender a me comunicar neste mundo da literatura.  O que me impressionou muito foi o contato com a Bienal Internacional do Livro de 2014, onde lancei meu livro. Um detalhe que observei foi com relação aos visitantes. Setenta por cento do público eram do sexo feminino. E na venda do meu primeiro livro, observo que essa é mesma percentagem que aparece entre os compradores. Mas estou gostando do desafio e já tenho um segundo livro sendo montado.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Eu tenho pouca vivência como escritor motivo pelo qual minha visão é ainda limitada. Como iniciante em escrever e ter um livro publicado, eu passei a dar muito mais valor aos escritores. O trabalho de pesquisa, montar um texto, com centenas de revisões de conteúdo e linguísticos, é exaustivo. E depois temos a escolha de uma editora, a montagem das capas, a organização  do lançamento, que são, também,  tarefas que demandam muito da nossa atenção e energia. Mas o maior trabalho é o da divulgação que é fundamental para se alcançar um volume de vendas que dê retorno ao investimento inicial. Nas primeiras edições do livro, em baixa tiragem, quase não há ganho para o escritor que se lança no mercado de livros. O iniciante apenas testa para ver se o conteúdo do seu livro atinge o seu público alvo. Se for bem sucedido, daí para frente, ele terá que investir muito do seu tempo e criatividade para divulgar o seu livro até atingir um nível onde a divulgação possa a ser feita automaticamente pela mídia e pelo boca a boca. O índice de leitura no Brasil ainda é baixo quando comparado com outros países, creio que por questões de poder aquisitivo e também culturais. Entendo que o povo brasileiro é mais voltado para a comunicação visual e verbal, haja visto, por exemplo, o sucesso das novelas na TV. 

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Eu andei contatando editoras, mandando o meu texto para avaliação de interesse. Mas como autor iniciante, a probabilidade de se fazer um contato com uma editora de grande porte é muito remota. E o pior é que na maioria das vezes não se tem nem respostas. Então coincidiu de eu vir, numa noite de autógrafos de lançamento de um livro de um amigo meu, na Scortecci Editora. E fiquei conhecendo o trabalho que a editora realiza e que facilita, em muito, a publicação de livros de autores iniciantes. Gostei do sistema de trabalho e meu livro já está à venda.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Eu aproveitei o evento da Bienal Internacional do Livro, a qual eu visitei por vários dias, para pesquisar, nas editoras e livrarias, a existência de livros que abordassem o conteúdo básico do meu livro. Percorri dezenas de livrarias e não consegui ver livros que cobrissem o tema abordado por mim. Eu acredito, então,  que meu livro aborda um assunto pouco explorado, mas que é de muita importância para pessoas que estão querendo fazer mudanças interiores, ter um melhor controle de sua vida e serem mais felizes.  Minha mensagem aos leitores é que pelas experiências que tive comigo e observando ocorrências com outras pessoas, cheguei a conclusão de que nada é impossível na vida, principalmente para aqueles  que tem força de vontade, persistência e iniciativa em aprender novos caminhos para enfrentar os desafios.
Certa vez eu li sobre uma definição de felicidade com a qual acabei concordando:
“A FELICIDADE não é viver sem situações imprevistas, sem dificuldades e sem barreiras. Elas estarão sempre presentes ao longo da sua vida. A FELICIDADE é você conseguir  se preparar, enfrentá-las, vencê-las e sair realizado do outro lado.”

Obrigado pela sua participação.




Um comentário:

  1. De fato o livro é muito bom e educativo. Ja li e reli, e sempre tenho que voltar e reler mais. E um livro sério, mas a simplicidade da escrita é muito facil de ler e entender. E é REAL !

    ResponderExcluir