sexta-feira, 31 de julho de 2015

Entrevista com Angela Ramalho - Autora de: ENTENDENDO AS PESSOAS GRANDES

Paranaense, escreveu Palavras Pedem Passagem e Poeminhas Dedicados (poesias, 2010); De Abraços & Cheiros (crônicas e contos, 2012); Traços (poesias, 2014) e Entendendo as pessoas grandes (contos, 2014). Possui obras em 40 antologias. Prêmio Top Blog Brasil (2013). Excelência Literária (REBRA, 2014). Vencedora de 06 Concursos Literários Nacionais. Integra a REBRA - Rede de Escritoras Brasileiras e o Portal do Poeta Brasileiro. Participa de duas Academias de Letras. É Membro da UBT-Seção Maringá.


O livro conta a história de um menino que gosta de contar histórias. A diferença é que ele não conta histórias para crianças e sim para os adultos. Começa contando de como aprendeu a pensar, colocado num canto da sala de aula para “pensar” sobre a traquinagem que havia feito. Filho de pai preconceituoso e de uma mãe que não lhe dava trégua, Paulinho tinha tudo para dar errado. Sorte que ele era curioso e questionador. Havia muitas coisas no comportamento dos adultos que o intrigavam. Será que um dia ele conseguiria entender as pessoas grandes? 

Na ânsia de buscar esse entendimento ele observava, perguntava, comparava sua família com as famílias dos amigos. Via diferenças para melhor e para pior, via incoerências. O tempo passou e Paulinho cresceu. Aprendeu muitas coisas sobre os adultos. Aprendeu a importância da família, aprendeu a aceitar as diferenças. Começou a entender as pessoas grandes ao mesmo tempo em que se tornava uma delas. A característica marcante desse menino (que agora é um homem) sempre foi a predisposição para aprender. Hoje ele é um adulto bem resolvido que continua descobrindo coisas maravilhosas sobre a vida.

Olá Angela. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro Entendendo as pessoas grandes é composto de contos curtos, que tratam das incoerências cometidas pelos adultos em relação às crianças/adolescentes e estas são analisadas por um menino curioso e questionador. O livro aborda temas como violência, preconceito, religiosidade, amizades, família, educação, valores. Tive a ideia de escrevê-lo, analisando situações da vida real e me colocando no lugar da criança. Parti de fatos acontecidos nas escolas, nas ruas, em grupos de amigos, na família. O livro é indicado para o público infanto-juvenil, mas eu o aconselharia a pais, psicólogos e educadores.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Não, essa é a minha quinta obra! Escrevi “Palavras Pedem Passagem” (poesias, 2010); “Poeminhas Dedicados” (poesias infantis, 2010); “De Abraços & Cheiros” (contos e crônicas, 2012); “Traços” (poesias, 2014) e “Entendendo as Pessoas Grandes” (contos infanto-juvenis, 2014). Já tenho um projeto editorial para o ano que vem e aguardo o resultado de uma licitação cultural para mais uma obra, que ficará também para 2015.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Estive recentemente na 23ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo. Esta foi minha terceira participação (estive nas bienais de 2010 e 2012). Esse tipo de evento me anima! Vi muitas famílias saírem com sacolas de livros, vi jovens lendo, sentados no chão; vi filas de pessoas sentadas no chão (guardando lugar) duas horas antes da palestra do escritor famoso, para não correr o risco de perder a senha; enfim creio que essa geração vai ler mais e consequentemente contribuirá para aumentar a estatística de leitores em nosso país.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Fiz meu terceiro livro com a Scortecci, conheço pessoalmente o Sr. João, conheço pessoalmente muitas das meninas (que só conhecia por e-mail). Gosto da qualidade do livro produzido pela Scortecci e sou associada da REBRA – Rede de Escritoras Brasileiras, que mantem parceria com a Scorteci, facilitando e ao mesmo tempo oferecendo melhores condições para que o autor produza seus livros com um preço mais acessível.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Meu livro merece ser lido por pais que não queiram “pagar mico” na educação dos filhos; merece ser lido por educadores para repensarem suas práticas; merece ser lido por "mães de primeira viagem" para que ao educar, não confundam ainda mais a cabeça das crianças; merece ser lido por crianças e adolescentes para que aprendam a refletir e questionar (chega de formar uma geração passiva, que aceita e engole tudo sem reflexão), enfim merece ser lido para que se propague uma visão de educação libertadora, capaz de formar o cidadão critico e atuante na sociedade.

Obrigado pela sua participação.

2 comentários:

  1. Parabéns, Angela. Excelente tema, quero ler! Sucesso!!!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Elianete Vieira! Está à venda no site da Livraria Asabeça!

    ResponderExcluir