quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Entrevista com Geraldo Rosa - Autor de: VERSOS TRISTES, MUITA POESIA E UM SORRISO!

Paulista de Aparecida, passou a infância em contato constante com as Artes. Mudou-se para São Paulo em 1986, porém, somente em 1994 iniciou suas atividades artísticas ao ingressar no Coral da Faculdade Ibero-Americana, como Barítono. Começou a escrever por volta de 1997, mas foi após participar de um concurso de poesias e chegar ao 3º lugar que passou a sonhar com a publicação de seus textos, sonho concretizado na Antologia "Cumplicidade de Movimentos", editada e publicada pela Scortecci Editora em 2014.



Esta obra traz um pouco das centenas de poesias escritas pelo autor em momentos e em situações das mais diversas vividas por ele e escritas entre os anos de 1997 e 2016. A criação do título do livro acabou por nortear o autor a organizar as poesias de forma a levar o leitor pela linha de pensamento do título, qual seja, de que o início mais denso e melancólico [quase depressivo] conduza-o a um momento de reflexão sobre as mazelas humanas que, na verdade, permeia quase toda sua obra, mas que neste ponto é mais acentuado. De que do meio do livro em diante o leitor pode respirar novos ares com poesias mais leves, dedicadas a grandes mulheres, à Natureza e às coisas belas do mundo. E que ao final não há uma conclusão, no entanto, a esperança e a gratidão impregnadas nas poesias finais trazem ao leitor uma sensação de que se chegou a conhecer um pouco da alma do autor.

Olá Geraldo. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Este é o meu primeiro livro autoral com alguns poemas já publicados em coletâneas anteriores com outros autores, mas na sua maioria são poemas inéditos. Foram escritos num período longo e bem conturbado de minha vida, muitos por impulso, inspiração, revolta, indignação, melancolia, júbilo, enfim, por motivações das mais diversas. Os temas, tamanhos e estrutura dos poemas também mostram bem essa mescla de emoções. Por todas estas características meus poemas não visam um público específico. E gosto que seja assim! Quero que meus textos cheguem tanto aos jovens quanto às mulheres e aos homens com mais "experiências de vida". Estes textos estavam todos soltos em meus arquivos, sem uma razão ou ordem preestabelecida, porém, ao inscrever um desses poemas num concurso de poesias e alcançar o 3º lugar, achei interessante organizá-los e publicá-los. Este livro é um apanhado dentre os cerca de 300 poemas já escritos por mim e revela um pouco desse Poeta que hoje sou!!!

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Sempre gostei muito de ler, e ler de tudo... até bulas e manuais (risos). Na infância li toda a enciclopédia Conhecer (e por várias vezes), mas literatura era mais raro porque os livros eram caros. Eu, meu Pai e cinco irmãos tínhamos uma vida simples e com muitas dificuldades, principalmente após o falecimento de minha mãe aos 52 anos, quando eu tinha 4 anos. Na adolescência comecei a ter contato com alguns clássicos da Literatura: de Agatha Christie até a Coleção Vaga-Lume da Editora Ática, passando por Monteiro Lobato. No entanto, antes de chegar ao ensino médio, aos 17 anos, comecei a carreira militar e, desde então até a graduação, me dediquei ao estudo técnico que me ajudou em muitos trabalhos por o nde passei e na carreira profissional após a Graduação em Processamento de Dados porém, nunca deixei de desejar estudar Artes, Humanidades e voltar a ler mais Literatura, principalmente ao entrar para o Coral da Faculdade Ibero-Americana (durante minha graduação). Cheguei a estudar dança flamenca, violoncelo, piano, flauta doce, canto lírico, musicalização, mas não terminei nenhum desses estudos. Apesar de toda formação técnica, sempre fui muito bom em letras, Língua Portuguesa e Inglesa, e sempre com excelentes notas em redação. Comecei a escrever por volta de 1997, mas eram apenas desabafos sem nexo, sem regras gramaticais e maiores cuidados estéticos. Devo confessar que o meu interesse pela poesia começou mesmo quando conheci Drummond e pegou fogo quando li Florbela Espanca. Daí só parei de escrever por alguns pedaços de tempo (de meses ou anos) dentro de longos períodos de muita poesia. Nos últimos meses, vivendo nas montanhas de Cunha, estado de São Paulo, tenho escrito muit o e pensado em escrever livros infantis de poesia e de contos. Ainda sou uma criança e por isso me identifico muito com os pequeninos. Já fui professor do Estado, entre 2003 e 2008, e até coral infantil eu criei para a criançada se divertir e, é claro, para aumentar a sua bagagem cultural. Sobre ter sonhos, certamente, "Versos tristes, muita poesia e um sorriso!", que também é meu 'primeiro filho', concretiza um dentre meus mil sonhos e é o primeiro de muitos outros livros que pretendo construir com palavras e sentimentos. E também estou estudando para isto. A cada dia pesquiso mais sobre Literatura em geral, História da Arte e sobre a nossa Língua Portuguesa. Como sou muito crítico com tudo, até comigo mesmo, penso em talvez enveredar-me também pelas crônicas... quem sabe?

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Bem... pelo pouco tempo de convívio com o mundo literário brasileiro até penso estar melhor do que eu pensava que fosse. É que o público que tem mais contato com livros são os de cidades grandes onde a sociedade tem maior facilidade de acesso à Cultura como um todo: cinema, teatro, exposições de artes, museus, bibliotecas, etc, e muitas vezes de graça. Como sou nascido no interior e voltei a morar no interior, após 17 anos vivendo em São Paulo, sei bem como é esta realidade por aqui já que fui Professor de Escolas Públicas e voltei a estudar para minhas duas pós-graduações quando pude pesquisar também sobre o assunto. No interior, o acesso aos livros fora das escolas públicas quase não existe, com raras exceções de alunos que se interessam pela leitura desde sempre. Acredito que o mercado de livros no Brasil poderia ser muito melhor se os artistas se unissem em grupos voltados para o fomento da Cultura Regional de suas comunidades com o o grupo do qual faço parte. Chamado Coletivo Cultural de Cunha, o grupo vem promovendo saraus e mostras de artes para a população e turistas da cidade de Cunha, estado de São Paulo, contando apenas com o apoio cultural de parceiros e amantes das artes e também de estudantes engajados em promover movimentos culturais. O ideal seria que artistas, população e turistas se unissem ao poder público e pudessem contar com o apoio de políticas públicas bem implementadas e duradouras, e que abarcassem várias gerações de leitores numa sociedade de tão pouca educação e com tão pouco acesso à Literatura.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Numa pesquisa pela Internet encontrei diversas editoras especializadas em pequenas tiragens e fui entrando e pesquisando, uma a uma, até que me identifiquei com a Scortecci, que respondeu pronta mente aos meus e-mails e assim começou esta parceria.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Certamente, meu livro merece ser lido! Não só pelo fato de ser um livro e que todo livro merece ser lido, mas pelo fato de que há muito de mim impregnado nas páginas desse livro... então, somente lendo todo o livro para que se possa conhecer um pouquinho mais de mim!!! E se você prestar bastante atenção a sua volta verá que mensagens estão sempre aí, aqui, ali, algures... esperando para serem decodificadas, descriptografadas, traduzidas para nossa compreensão, conhecimento e crescimento próprios... basta você querer buscar tudo isso que encontrará. Em "Versos tristes, muita poesia e um sorriso!"... certamente!

Obrigado pela sua participação.

5 comentários:

  1. Muito obrigado Maria Cristina Andersen pela oportunidade e à Valéria pelo comentário...

    ResponderExcluir
  2. ......amadinho, meu amigo agora "Encantador das Montanhas de Cunha"... Parabéns! Neste momento, fluem do mundo de Drummond à Florbela, não apenas a flor de sua alma em poesia, sorriso salvador em forma de VIDA mas por todos os seres que se fazem agora irmãos. Sua luz se intensifica e preenche o nosso coração com o espírito de amor, paz livremente... Seus poemas, nos faz sentir a VIDA! Obrigada por existir... Sucesso.. Paz e Bem Maior sempre. beijos

    ResponderExcluir