segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Entrevista com Regina Roppa - Autora de: SENTIMENTOS AO VENTO

Nasci em Aparecida (SP), em 1963. Estudei nas escolas Chagas Pereira, Anísio Novaes e Américo Alves. Formei-me no curso de Magistério no Colégio Patrocínio São José, Lorena (SP), em 1980. Graduei-me em Pedagogia, pela Universidade Católica de Brasília (1995), em Tecnologia em Automação de Escritórios e Secretariado pela FATEC, Guaratinguetá (2000), e em Filosofia pela Universidade Metodista de São Paulo (2010). Em 2013 concluí especialização em Designer Instrucional pela Universidade Federal de Itajubá. Sou curiosa, gosto de estudar, de desafios que me motivam a realizar. 

Deve ser por isso que sou professora, pois na escola, todos os dias, há coisas a se aprender. Publiquei meu primeiro livro infantil em 2009, As aventuras de uma bola, pela Scortecci Editora, uma história para crianças e adultos que convida à reflexão sobre valores e o viver. Outros virão... Participei de alguns concursos literários e já publiquei alguns artigos em periódicos e jornais. Participei das antologias Enigmas do Amor; Encontro Pontual (2009 e 2010, Scortecci Editora); Agenda 2011, Antologia Amor Entre Letras, Antologia de Poesias, Contos e Crônicas – XV Bienal do Rio de Janeiro (2011, Editora All Print); Antologia dos Poetas Lusófonos volumes IV, V, VI e VII (2011 a 2015, Folheto Edições e Design, Leiria, Portugal). Tenho alguns textos publicados nos seguintes endereços eletrônicos, onde você poderá ler e comentar:


Segundo livro publicado de Regina Roppa, o primeiro de poesia, reúne alguns de seus textos que partilha com o desejo de que a cada dia todos nós renovemos nossas vidas em busca de leveza e da beleza do viver. “São sentimentos, emoções, sonhos traduzidos, ousadamente, em palavras que fluem no desvelamento do viver.”








Olá Regina. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
É um livro que mostra em forma de poesia um pouco da minha vivência e dos meus olhares do e no mundo. Sempre gostei de observar, pensar sobre coisas e fatos. Aos poucos fui escrevendo essas observações e pensamentos. Acumulei muitos textos e decidi que estava na hora de partilhá-los. Então, selecionei alguns e surgiu ”Sentimentos ao Vento” com a proposta de uma reflexão em busca de um viver com leveza e beleza. É um livro para quem gosta de poesia, independente de idade.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Já publiquei um livro infantil e tenho outros escritos que ainda desejo publicar. Penso que a leitura precisa ser incentivada desde cedo, porém minha proposta é sempre em busca de reflexão sobre a vida e o mundo que nos cerca. Não é à toa que fui estudar um pouco de filosofia. Tenho também contos, crônicas, textos acadêmicos na área de educação e filosofia. Escrevo porque gosto de escrever, gosto de provocar o pensar, intrigar as pessoas e fico muito feliz quando alguém faz um comentário sobre o que escrevi. E se não coincidir com o que pensei ao escrever, fico mais feliz ainda, pois descubro outra forma de ler. Espero e desejo que outros venham. Já realizei o sonho de plantar árvores, ter filhos e escrever livros, mas ainda tenho outros e por isso planto as sementes com minhas palavras.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Penso que nosso maior problema é a falta de hábito de leitura e a não valorização dos escritores nacionais. Observo os acervos das livrarias, das bibliotecas e percebo que as obras de escritores estrangeiros são a maioria nas prateleiras. E onde estão os escritores brasileiros? Claro que os famosos estão lá, mas os outros que estão se despontando? Converso com muitos professores que não conhecem autores nacionais a não ser os já consagrados. Talvez seja a grande extensão geográfica de nosso país que prejudique a divulgação? Não sei. Mas sei que há autores nacionais com obras lindas que não conseguem espaço no mercado. Conheço alguns. A realização da Bienal é uma oportunidade de divulgação, mas ainda precisa ser melhorada. Gostaria que a mídia realmente abrisse esse espaço para o conhecimento e valorização da produção literária nacional. Creio que seria um grande ganho para todos os brasileiros.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Procurei na internet uma editora para meu primeiro livro infantil: As aventuras de uma bola", em 2009 e fiz contato com a Scortecci. Ainda não tinha o selo Pingo de letra para obras infantis. Quando decidi publicar Sentimentos ao Vento, fiz vários contatos, mas preferi a Scortecci por conhecer o trabalho. Fiquei satisfeita.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Sim. Todos os livros merecem ser lidos. O meu, em particular, porque creio que leva a pensar sobre o viver e mesmo que a gente tenha que passar por dissabores na vida, retornar, refazer, recomeçar, esperançar, como dizia Paulo Freire, é sempre possível.

Obrigado pela sua participação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário