sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Entrevista com Nilceu Francisco de Lima - Autor de: SOB MEDIDA

É filho de Pedro Francisco e Aparecida Romana Francisco, ambos (in memoriam). Nasceu na cidade de Tapiratiba, aos 11 de julho de 1956. Foi criado, desde os 4 meses de idade, em Caconde; reside em Campinas, desde 1976. Cidades paulistas. É professor e jornalista.
Os dias representam para mim, constantes desafios: sempre busco a maneira que considero essencial para enfrentar cada um deles, visto que a vida é alimentada de ações, das quais realizamos no dia a dia. 
Não esqueçamos que é impossível viver o presente, sem a experiência do passado, mesmo que mínimo; e desprezar os sonhos para o futuro.

Este livro destina-se especialmente a você que pretende ampliar seus conhecimentos literários e a todos que fazem da leitura o hábito mais prodigioso de um ser.  A obra foi escrita por um admirador da vida e da fertilidade amorosa, que consegue absorver uma gota de orvalho como se fosse uma fonte de água potável para saciar a sede e alimentar o amor. Escrever não é colecionar palavras; e sim, fazer delas um instrumento capaz de proporcionar emoções, satisfazer o eu, e declarar ao Universo, indiretamente, o quanto é possível amar, e perpetuar esse sentimento, que é incapaz de findar-se, enquanto os corações permanecerem abertos ao novo, e fiéis à essência de cada um de nós.

Olá Nilceu. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.


Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Trata-se de uma obra estritamente romântica, que surgiu do fundo da alma e amadureceu. Cada um dos textos narra uma situação que reflete o nosso cotidiano, independentemente da idade do leitor. São poemas de amor, regados de paixão, simplicidade, esperança, e realizações.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Não posso negar que é um sonho de grande realização para mim. Sempre me interessei por leituras e escritas. Produzia vários modelos de cartas entre famílias, rádios e os famosos versinhos de Correio Elegante. Resolvi, aos poucos, aprofundar os rabiscos, transformei os mesmos, em textos; e continuo. Desejava um dia publicar ao menos alguns. É minha primeira obra em forma de livro, de várias, que pretendo lançá-las.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Nosso país está carente de políticas públicas eficazes para despertar nos jovens, principalmente, os anseios por leituras. Há outras situações que ainda não foram detectadas e trabalhadas, em forma de parceria, para beneficiar quem escreve e quem lê; como por exemplo a riqueza tecnológica e o que ela oferece ao mercado. Nas escolas, basta equipar as salas de aula, preparar os professores, conciliar os projetos pedagógicos com as aulas em si. É uma questão de querer e saber explorar a inteligência dos alunos. Fora das Unidades Escolares, há os que preferem alguns modelos de leituras, mas carecem de algumas dinâmicas, motivações, exemplos oriundos do mundo virtual, campanhas publicitárias em torno do tema, concursos envolvendo poemas, crônicas, romances etc.
O momento atual não condiz com a necessidade diária dos brasileiros, que seria o anseio pela descoberta, a busca para melhorar o conhecimento, em geral, e ratificar a qualidade intrínseca em cada um.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Há alguns anos acompanho, de longe, parte dos serviços da editora, ensaiei enviar algo, pesquisei; e agora, resolvi.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
O livro contém 50 poemas, e tenho certeza que algum fala diretamente a linguagem de cada leitor(a). Considero este um bom motivo para lê-lo.

Obrigado pela sua participação.

Um comentário:

  1. Agradeço o trabalho elaborado pela editora e os seus; para que cada obra seja publicada, divulgada, contemplando nossas realizações. Ao caríssimo leitor, convido sentir-se à vontade, para opinar, sugerir, criticar. Grato!

    ResponderExcluir