segunda-feira, 25 de dezembro de 2017

Entrevista com João Gomes da Silveira - Autor de: A MULHER EM SONETOS

Nasceu no sítio Canadá, município de Redenção (CE) e foi registrado em Maranguape, terra do historiador Capistrano de Abreu e do humorista Chico Anysio. É pós-graduado em Língua Portuguesa. Participou da Antologia Grupo A.G.U.I.A. (Amigos Unidos Incentivando as Artes), do Rio Grande do Sul, de 2009 (primeira edição) até 2012. Publicou Dicionário de expressões populares da língua portuguesa (Martins Fontes, 2010); Bichos intrometidos na boca do povo, Cem sonetos insubmissos e Sonetos em revoada (Travassos Publicações, 2013, 2014 e 2015 respectivamente); Expressionário de falas populares, As figuras de estilo e termos afins, Clarinada de sonetos & outros poemas e Trovejos de trovas (Scortecci Editora, os dois primeiros em 2015 e os demais 2016). Tem inédito, na gaveta, Glosario esencial del español popular (bilíngue) e Poesia para a garotada.

Eis o livrinho das mulheres dos poetas. Seria impossível enumerá-los todos, porque são milhares os nomes femininos. Porém aqui vão expostos, em sonetos, 76 nomes. Ou, a bem dizer, mulheres que palmilham a lírica messe d’alma dos bardos luso-brasileiros. A antologia compõe-se de textos contendo a graça de notáveis divas e musas que, de algum modo, fazem parte do universo real ou ficcional de variados menestréis, na maioria vates consagrados. 

Trata-se, minimamente, do que foi possível amealhar. Todavia convém pontuar que o trabalho, embora minúsculo, é deveras original: não há notícia de coletânea similar. Sem delongas, ponham-se mãos e olhos em tais mimos dedicados e/ou alusivos – até nas searas da Bíblia, da História, da Mitologia e da Literatura – à onomástica do belo sexo. Pois a procura do Organizador resulta neste pequeno florilégio, referindo, no amor e mesmo na morte, tão somente aclamadas e decantadas damas, estas aqui reunidas – as mulheres dos poetas. Com certeza, ao pé de bons hiatos do seu aprazível lazer, ó caro leitor, este seleto rol de textos irá deleitar a sua sensibilidade de ledor de poesia.

Olá João. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Este livro atual trata com exclusividade de sonetos - apenas sonetos - com nomes de mulher. Observei que ainda não existia obra similar, na praça livreira, então surgiu a ideia de organizá-la. Sou organizador da obra, apenas contribuo com dois títulos e até queria ficar de fora, mas uma amiga pediu que incluísse o nome dela. Por coincidência eu tinha esse nome solicitado, já publicado em livro anterior. Aí, em vez de um título, inseri outro. Dos 76 sonetos que formam a antologia, só dois são de nossa lavra. Vale ressaltar que fui enxerido, pondo-me no meio de poetas da mais alta estirpe da literatura luso-brasileira. Apenas este um é poeta menor. O livro atinge todos os públicos. Se o leitor é um aficionado da poesia, e de sonetos, particularmente, então não vai deixar de querer folhear o opúsculo.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Fui professor, pós-graduado em Língua Portuguesa, e, como diz o Belchior, apenas um rapaz latino-americano (risos). A MULHER EM SONETOS é a nossa nona publicação. Tenho trabalhado com o idiomatismo, esta parte especial da língua, um livrinho sobre estilística e os demais em poesia. Como dizem dos discos, o nosso carro-chefe é um catatau de 980, o primeiro, intitulado Dicionário de expressões populares da língua portuguesa, publicado pela Martins Fontes.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Não tenho a veleidade de me rotular de escritor. Costumo me proclamar apenas como um e s c r e v i n h a d o r. Mas mesmo um escritor de no meada, com muitas obras publicadas, até no campo da ficção, não é de ter vida fácil. Ela malha muito para ser reconhecido. Há boa parte do público ledor que prefere os chamados enlatados vindos do exterior. Claro que temos algumas exceções que vendem bem suas obras. Amado, Graciliano, Drummond, Vinícius, Cecília Meireles e Guimarães Rosa, entre outras, são do time das exceções. Contudo, não vamos choramingar tanto, que a internet não matou o hábito da boa leitura, como profetizavam. Ao contrário, penso que uma coisa completa a outra - a internet é parceira fiel da nossa cultura livresca. Neste ponto sou otimista - há muito quem valorize a leitura.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Bem, agora, pela Scortecci, estamos no nosso quinto livro. No início, dei com a Editora escarafunchando casas publicadoras, justamente pela internet. Por este importante meio de comunicação moderno escalamos os passos do mapa do mundo.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Já espalhei por aí, brincando, que A MULHER EM SONETOS é o meu melhor livro, porque não é meu. Esclarecendo melhor: a obra é uma antologia com nomes femininos, divas e musas de poetas consagrados, tanto do Brasil como de Portugal. Se o leitor gosta de poesia, mais ainda de sonetos, que reputo como um nobre gênero de composição, como não merecer uma especial atenção? Creio, sim, que vale a pena adquirir, ler e guardar com carinho este lançamento, único, por sinal, em língua luso-brasileira. A mensagem especial que posso aqui deixar é que nenhuma leitura como a dos poemas é tão fascinante e viciante, no bom sentido, porquanto é uma leitura rítmica, musical e palatável. Portanto, sem descurar também da leitura da prosa, primeiro valorizemos a leitura da poesia, pois somente o bem ela nos causará.

Obrigado pela sua participação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário