domingo, 9 de dezembro de 2018

Entrevista com Vera Melis - Autora de: ESPAÇOS EM EDUCAÇÃO INFANTIL

Nome literário de Vera Lucia Anselmi Melis Paolillo
Nascida em São Paulo, capital, teve o privilegio de começar a vida escolar na Pré escola do Grupo Experimental da Lapa, onde brincava de casinha, rolava na grama, ficava entre livros e desenhava muito. Esta foi sua referencia no inicio de sua carreira como professora de Jardim da Infância. Pedagoga, Mestre em Educação pela University of Houston, Doutor em Administração, Mackenzie, Especialista em Espaços Educativos e formação de professores. Em 2005 foi a primeira brasileira escolhida como Global Leader for Young Children.
Os direitos das crianças e a formação continuada dos profissionais da educação,fazem parte de todos os projetos desenvolvidos como consultora, professora universitária e palestrante. Sua atuação acadêmica contempla a docência, chefia de Departamento e coordenação de Pós Graduação Strito Sensu. Coordenou o Escritório da UNESCO no Estado de São Paulo. Elaborou e implementou programas de educação infantil para Institutos, Empresas e Prefeituras. Certificada pela La Bottega di Geppetto para formação acerca da Abordagem Toscana de educação para a infância.
Representante do Brasil no World Forum Foundation desde 2001. Membro da Diretoria da AABRi ( Associação Brasileira de Brinquedotecas) e do Conselho Consultivo da Revista Pátio Educação Infantil. 
Membro do Grupo de pesquisa da UNICAMP/IA Processos de Criação, Projeto e Educação. Autora de livros e artigos.

Este livro discute a importância dos espaços escolares no processo de aprendizagem das crianças e professores, convidando os leitores a revisitar sua memória docente. Esta volta ao passado, não tão distante, conduz cada professor leitor a pensar em sua atuação. Identificar ações realizadas fundamentadas nas necessidades e expectativas das crianças é o ponto de partida para construir uma metodologia que respeite a infância e proponha atividades para que esta seja vivida.
Não discutimos este espaço à luz de diferentes teóricos e nem abordagens curriculares, mas sim a partir das reflexões de uma jovem professora, que ao encontrar um espaço pré-organizado para atuar, percebe nas aulas, nas leituras realizadas e do conhecimento sobre as crianças com quem dividirá um ano de vida, a possibilidade de alteração de uma rotina e exercício de sua criatividade.
A nossa personagem é uma jovem professora que atua como figura central desta nossa proposta. O caso de Patrícia, relatado nesta reflexão, baseia-se em relatos reais de vários professores que iniciam sua trajetória profissional, que ouvi durante muitos anos atuando na formação de professores. Apresenta também, sentimentos presentes em nossa memória. Este caminho nos ajuda a reviver as trilhas que percorremos e a buscar respostas ou justificativas para a prática construída a cada dia.
A cada cena do cotidiano desta professora, acrescentamos comentários, sugestões e algumas luzes para que cada leitor possa direcionar uma reflexão sobre as práticas já vividas.
Luzes, sombras, cenários e ação. Elementos que podem ser utilizados em mais um encontro de formação e desenvolvimento profissional.

Olá Vera. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Comecei minha carreira como professora de maternal e jardim da infância. Tinha 17 anos como muitas professoras começam. Retomei minha experiência inicial e agreguei a jornada de uma vida dedicada a estudos e praticas na área da educação infantil. Atuei na politica publica, com gestores, apoiando a implantação de creches em municípios, em ONGs e na universidade. Neste percurso pude escrever documentos, livros que auxiliaram muitos interessados na infância. Este livro pode ser utilizado na formação continuada de professores de educação infantil espero assim, poder inspirar e sensibilizar alterações simples na pratica pedagógica.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Sempre escrevi artigos e livros destinados a educadores e gestores da primeira infância. Não é meu primeiro e nem o ultimo. Quero sempre poder disseminar praticas e ideias para contribuir no cotidiano das crianças . Escrevo para professores e para famílias pois em todos os locais as crianças merecem conviver em um ambiente rico e estimulante.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A vida de escritor é mais difícil pois muitos não tem paciência de ler um bom livro ou discutir as ideias. Na área da educação voltada para professores é preciso correr atrás e divulgar seu trabalho em congressos específicos . Temos que valorizar a cultura da leitura ente professores.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Conheço há muito a editora e este livro já é a segunda edição. Na primeira vendemos 1000 livros e o lançamento foi um sucesso na livraria. Agora, há pedidos, fiz a segunda educação ampliada.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Este livro é um convite para a formação continuada. A teoria e as sugestões para uma pratica pedagógica destinada a educação infantil é entremeada com a jornada de uma jovem professora que, recém formada, se vê diante de uma turma de crianças avidas por brincar, interagir e descobrir o mundo. Dicas, sugestões, desafios são encontrados neste percurso e cada leitor(a) poderá acrescentar novas situações em sua docência.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com Carolina Q. P. Rout - Autora de: CHOCO, LATE!

Nome literário de Carolina Queiroz Porto Rout.
Oi, eu me chamo Carol, escrevi essa história em 2006 quando morava na Inglaterra em uma casa com três crianças muito especiais. Hoje, moro em São Paulo com meu marido, Philip, e três filhos, Benjamin, Samuel e Joanna. Gosto muito de escrever histórias para crianças, de comer chocolates e de passar tempo com minha família.




Você gosta de comer chocolates? Com quem você divide os seus? Este livro conta um pedacinho da vida de uma menina muito atenta às coisas ao seu redor.





Olá Carolina. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
A história do livro foi pensada para pessoas que apreciam jogo de palavras e chocolates e que são atentas às coisas do dia-a-dia. Essa história veio a mim quando eu morava na Inglaterra, com uma família que tinha 3 crianças com idades entre 2 e 8 anos. Sempre que eu tinha um tempinho eu sentava em meu quarto e escrevia o que vinha à mente. Essa história foi uma delas, e eu me diverti muito no processo de criação dela! Meu público alvo são crianças de 4 a 10 anos.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Eu espero que seja o primeiro livro de muitos! Mas com certeza já é um sonho realizado. Criar é algo que nos aproxima de Deus, nosso Criador. Ele nos deu a capacidade para criarmos, desde simples histórias a tudo o mais que temos no mundo hoje. Cada um de nós cria desde a mais tenra idade. Minhas inspirações mais divertidas são aquelas que vêm pelas lembranças da minha infância e pela observação de meus filhos brincando.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
De fato, não é uma vida que vai de vento em popa, porém, o Brasil somos nós, e não algo fora de nós. Cada um de nós tem seu círculo de influências, e devemos usá-lo para despertar o prazer da leitura nessas pessoas próximas a nós. Por que não presentear uns aos outros com livros, sejam e-books ou de papel? Passar tempo lendo em voz alta para alguém, seja criança ou adulto, todos gostam de ouvir histórias.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Há uns 3 anos comecei a procurar na internet editoras que publicavam livros em pequenas tiragens, que davam cursos, palestras sobre ser um escritor, etc. Numa dessas buscas conheci a Scortecci e passei a receber os informes mensais. Gostei muito de ter esse primeiro contato, e, aos poucos, fui confiando na editora para expor minha primeira história. Agradeço muito o acolhimento que tive nesse processo.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Com certeza! É um livro divertido e sutil. Em sua sutileza mostra a beleza de coisas simples do dia a dia e da simplicidade de uma criança. Também traz a alegria da brincadeira com palavras e de se deliciar com chocolates. Para meus leitores mais que especiais só posso dizer: divirtam-se com o Choco, e soltem sua imaginação a partir dessa história.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com Alex Moura - Autor de: NÓRDICOS

Nasceu no dia 24 de março de 1978, na cidade de Surubim, Estado de Pernambuco. Casado com Eduarda Lima de Almeida Queiroz; pai de dois filhos: Emyli Laiana Queiroz e Pedro Rafael Queiroz; Reside atualmente na cidade de Santa Maria do Cambucá - PE. Professor de História, filosofia e Sociologia no Colégio Nossa Senhora do Amparo, Surubim - PE, Licenciatura Plena em História pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru (FAFICA); Pós- Graduação em História do Brasil; Especialização em Teologia, publicou em 2014 a obra: As flores nascem por amor (Editora Scortecci).

Surgimos como névoa nos abismos da vida e quase sempre estamos seguros do que fazemos e do que faremos. Esta obra foi escrita nos dias 06 e 07 de abril de 1998 e adaptado nos dias 27 e 28 de fevereiro e 01 de março de 2015 e readaptada no mês julho de 2015, que fez em mim uma nova fase de sonhos e de realizações.
Imaginava como era os tempos dos reinos vinkings dos guerreiros e navegadores magnificantes. Fortes reis soberanos e de suas façanhas religiosas; o mito dos deuses, das princesas que traziam no seu ego o amor e o ódio, o poder e a vingança; das magias dos monges ou dos bruxos; a busca das riquezas no brilho das pedras escondidas nas façanhas das descobertas. 
Como não poderia nascer e viver naquela época minha imaginação me fez nascer e viver. Nas minhas “ilusões” fazia de mim alguém que assistia cada feitor. E , assim desenvolvi este singelo livro com muita simplicidade mais com muito carinho. No princípio fiz do título OS REIS: o renascimento da liberdade. Viajando ainda mais na histórias mitológicas renovei o título como: OS NÓRDICOS, do amor vem à liberdade. Homens que se tornaram reis jovens depois de cada destino realizado entre espinhos e flores, entre a morte e a vida e principalmente por lutas realizadas por vingança e por amor. Enfatizando o caminho do amor para a libertação de um povo. Para uma libertação familiar; da vontade de querer sempre renascer entre as cinzas a felicidade.
A mensagem deste livro reflete no amor que podemos oferecer a cada um. Foi explorado também no abismo da ganância que nos faz viver dias de lutas. Enfim, construí uma história para viajar no tempo e estudar um dom que nunca podemos abandonar: o livre acesso a imaginação para desenvolver comigo A EMOÇÃO, transmitindo para a sua sensível vida esta missão de amar, com a total confiança libertária de qualquer dor ou angústia.
Desejo a todos uma viajem para um mundo onde iremos enxergar até que ponto o sentimento poderá nos afetar quando o amor e o ódio tentam se superar um contra o outro e principalmente quando fazemos isto sem temer. 
Lembre-se: “Seja a favor da sua imaginação e clame por liberdade e esta liberdade lhe oferecerá oportunidades para amar”. 
Para você, amigo leitor: Os Nórdicos, do amor vem à liberdade.


Olá Alex. É um prazer contar, novamente , com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro traz um romance que relaciona em uma época de guerreiros o duelo entre o amor e o ódio na era dos vikings.
A ideia veio para descobrir este mundo viking tão rico em formações de povos e de lutas; rico em formação de poderes e de guerras doutrinárias religiosas;
O público alvo; ADOLESCENTES e ADULTOS.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Hoje sou educador, ensino as disciplinas de história, sociologia e filosofia. Mas pretendo conquistar um sonho: ser contratado por uma editora e viver escrevendo, realizando palestras e vendendo livros.
AMO escrever é o maior divertimento ou lazer que existe. Ser escritor é ser completo na vida. 
Este é o segundo livro, o primeiro foi um romance italiano com o título: AS FLORES NASCEM POR AMOR.
Tenho ainda mais três projetos quase prontos que serão: Brayan o último anjo; Eu estive ao seu lado (a história da minha esposa sobre a vitória contra o câncer); "CASSAÇÃO" ( a volta do cangaço). 
Quero ser escritor sempre, e ser meu ofício; pretendo lançar a cada ano um livro. Minha vida é relacionada ao mundo mágico da escrita e da imaginação.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
MUITO DIFÍCIL. Mas com esperança que tudo possa mudar. Porém, através da tecnologia creio que é uma porta ampla, "gigantesca" para trabalhar incentivando e procurando novos leitores. Porém, é necessário que a editora possa convidar seus escritores para participação de eventos e premiações literárias. Acho que a editora tem que ter uma relação aberta com o escritor e divulgá-lo em feiras literárias, palestras, bienais, etc. 
A editora e o escritor devem estar juntos para o incentivo literário e não esperar pelo Estado.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Através da internet; sites.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Sim. Por trazer emoção. Os leitores que já leram o livro "viajaram" e sentiram muita emoção pela trajetória de personagens que lutaram em uma cultura violenta a favor do amor. O misticismo, a religião, a cultura viking...um leque cheios de caminhos improváveis da história. Garanto que você não vai dormir sem completar toda a leitura do livro. 
Minha mensagem é: Incentivo aos escritores, precisamos muito de vocês. Suas críticas são de grande importância para o futuro e para os sonhos destes "guerreiros" escritores. Leiam e divulguem; amem a literatura; façam valer a pena a leitura e leve para a sociedade a ética, o respeito de sermos o futuro da educação brasileira.

Obrigado pela sua participação.

Leia Mais ►

Entrevista com Maria José de Faria - Autora de: O QUE SERÁ?

Maria José de Farias
Nasceu em Cipotânea/MG, filha de Joviano e Regina, tinha 11 irmãos. 
Cursou o primeiro e segundo grau em Barbacena/MG e veio para São Paulo com 19 anos, onde concluiu os estudos e realizou seu sonho profissional, se tornou professora.
Aposentada, casada com José Airton, teve 4 filhos: Rosemary, Renata, Regina e Rodrigo.
Acredita que só a justiça nos trará paz.



A obra sugere a busca do conhecimento entre o homem e a natureza para refletir o quão é importante e necessário o respeito pela vida na terra.








Olá Maria José. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O meu livro “O Que Será?”, trata-se de uma história alusiva ao meio ambiente. Surgiu ao perceber que muitos valores ligados ao respeito à natureza estavam sendo esquecidos no geral e destina-se prioritariamente as crianças embora se estenda aos adultos.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Eu sou uma vovó apaixonada pelas crianças e muito preocupada com a destruição do meio ambiente.
Espero que este livro seja o primeiro de muitos.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Muito triste que no Brasil não exista incentivos como deveria, pois a falta de investimento e responsabilidade de alguns do poder público não permite que a cultura de leitura chegue em todos os lugares.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Cheguei a esta editora por indicação de um profissional da editora CIRANDA DO LIVRO. Meu livro ficou em análise com eles uma boa temporada, porém como a fila estava grande e sem previsão de retorno busquei outra opção.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Meu livro merece ser lido por ser questionador, por aguçar a curiosidade e ser necessário nos dias de hoje discutir em todos os lugares as questões ambientais.
Espero que os leitores ao lê-lo sintam a necessidade de fazer o que estiver ao seu alcance para melhorar a qualidade de vida no planeta.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

domingo, 2 de dezembro de 2018

Entrevista com Claudia Gonçalves - Autora de: ARETÊ

Nasceu em São Paulo, é advogada, palestrante, poetisa, romancista e membro da União Brasileira dos Escritores. Iniciou sua obra literária aos 11 anos de idade. Seu primeiro livro, Meu ser no mundo, foi publicado em 1983. Outras obras vieram, como: Labirinto poético; Delírios poéticos de uma juventude enlouquecida – Antologia de Poesias; Impressões literárias – Antologia de Poesias, Contos e Crônicas.




É o primeiro livro de uma trilogia. A história se passa na idade média, com uma narrativa dinâmica a trama nos conta a luta da princesa Raquel para libertar o Reino de sua família das mãos do tirano Shur. Aretê é a magia de se cumprir com o próprio destino, é um romance de ficção repleto de personagens envolventes, como o duende Arquetu, a feiticeira Safira, o sacerdote Lúcius. Um livro marcado por arquétipos, pela guerra e pelo amor.




Olá Claudia. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Aretê é a magia de cumprir seu próprio destino!
O livro fala sobre família, amor, laços de sangue, reinos, ódio, autoritarismo, guerra e uma menina que pelas circunstâncias torna-se uma mulher forte e disposta a tudo para reconstruir a história de um reino.
Família é o berço do nosso primeiro amor, mas também pode ser o das nossas primeiras desilusões. Raquel, a protagonista do livro Aretê, de Claudia Gonçalves, conheceu todos os lados bons e ruins deste núcleo e só tinha duas opções, aquietar-se em sua indignação ou apoderar-se por sua liberdade, por outras mulheres, por seu povo. Qual escolha fazer?
Aretê é o primeiro livro de uma trilogia baseada na idade média, uma narrativa dinâmica que conta a luta da princesa Raquel para libertar o reino das mãos do tirano Shur. É um romance de ficção repleto de personagens envolventes como o duende Arquetu, a feiticeira Safira e o Sacerdote Lucius. Um livro que suscita medo, curiosidade, indignação, coragem e força, marcado pela guerra e pelo amor.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Eu escrevo desde os 11 anos, nessa idade eu senti a necessidade de transportar meus sentimentos em versos, e assim me tornei poetisa. Aos vinte anos eu publiquei o primeiro livro de poesias, "Meu ser no mundo", logo depois veio segundo livro "Labirintos poéticos", já em 2014 foi a vez do primeiro livro técnico, "Função social das cooperativas de trabalho no Brasil", em 2018 participei da antologia "Impressões literárias", pela Scortecci.
Aretê, meu primeiro romance, é também o primeiro livro de uma trilogia.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A vida do escritor é muito desafiadora, nossa população tem pouco hábito de leitura.
Contudo, por mais paradoxal que seja eu vejo que o jovem gosta de ler, se o tema do livro fizer sentido ele lê com certeza.
Penso que deveriam existir mais políticas públicas para o incentivo à leitura, e não estou falando de verba, eu falo de oficinas que visem aproximar os autores e os leitores. Tenho certeza que seria uma troca generosa de experiências.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Nossa faz muito tempo que descobri a Scortecci, na verdade foi um professor meu quem me encorajou a publicar minhas poesias e me deu a dica sobre a Editora.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
O livro foi desenvolvido para que os leitores se sintam parte da história, é recheado de arquétipos que provocam a nossa imaginação e nos envolve em sentimentos absurdamente contraditórios e reais. Acredito que muitas mulheres, em diferentes momentos, se enxergarão em Raquel, a personagem principal. Por isso ela foi criada sem forma, para que a leitora se aposse e empodere-se com ela.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com Alcidéa Miguel - Autora de: AINDA HÁ TEMPO PARA A ESPERANÇA!

Nasceu em Vitória-ES, casada, mãe de três filhos, formada em Artes e música, cursa pós graduação em artes, cultura e educação, estudou Saxofone, canto, violino, violão e regência.
Professora, regente, escritora dos livros: Ainda ha tempo para a esperança, Eu também chorei na escola, O artista é você, Cadernos negros (Preto no branco e Quando pinta tem cento e trinta) Crônicas Urbanas (Salamaleico) e Ser Mulher
Membro da Academia de Letras da grande São Paulo (cadeira 25).
Se apresenta em eventos nacionais e internacionais.

Conta a trajetória real de Alcidéa Miguel de Souza, que vai do sofrimento à celebração, da tristeza à alegria, do impossível ao possível. Impressionante como as experiências aqui contadas trazem ao leitor a vontade de cultivar a semente de esperança existente dentro de cada um de nós. Aproveite a leitura. Que ela traga melhorias para seu dia a dia!





Olá Alcidéa. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro é uma autobiografia, uma história de superação que vai do sofrimento á celebração, da tristeza á alegria, do possível ao impossível. As experiências contadas no livro trazem ao leitor a vontade de cultivar a semente de esperança existente dentro de cada um de nós.
A ideia surgiu no aeroporto de Miami (EUA). Eu disse a minha sobrinha Tamynha: vamos escrever um livro contando tudo o que passamos aqui nos Estados Unidos? Minha sobrinha disse: isso é impossível tia! escrever um livro é muito difícil... Eu pensei: amo desafios. Ai escrevi.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Como Acadêmica, membro da Academia de Letras, meu lema é preservar a língua portuguesa, criar e incentivar projetos de criação literária, escrever muitos livros para que haja cada dia mais leitores.
Meu primeiro livro foi Ainda há tempo para a esperança. Depois desse fiz mais 07 livros e continuo escrevendo.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A vida do escritor no Brasil é muito difícil, muitas vezes temos que patrocinar nosso próprio livro para que ele chegue às mãos do leitor.
O compensador nesse contexto é que o escritor ainda é muito valorizado pelas pessoas. Vejo pessoas emocionadas por estarem perto de mim, pedindo para autografarem um livro e isso me alegra muito.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Cheguei até a Scortecci através de uma amiga que editou um livro na Editora e gostei muito do trabalho da referida empresa.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Meu livro merece ser lido porque é uma interação escritor e leitor. Uma resposta agradável pois em quatro meses a primeira edição de 500 exemplares esgotou e já fizemos a segunda edição.Isso é gratificante.
Leitores: Saibam que vocês são pessoas fundamentais para nossa jornada porque não existe escritor sem leitor. Sigam na jornada do conhecimento pois a boa leitura nos edificam a cada dia.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com Valdelice Chamone - Autora de: DEPRESSÃO DA ALMA

É escritora, professora de Língua Portuguesa, possui especialização em Meio Ambiente e Sustentabilidade, funcionária pública aposentada e estudante de Teologia.








A obra é autoajuda para o estado de depressão, com elementos que esclarecem esse estado emocional. Os capítulos destinam-se a esclarecer as possíveis causas que levam as pessoas ao estado de depressão e fornecer ferramentas para a superação desse problema.







Olá Valdelice. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro trata dos sintomas de Depressão, Síndrome do Pânico e de meios de superação.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
É o primeiro livro, baseado na experiência pessoal de depressão pós parto e suas complicações. Foi escrito para que pessoas com os mesmos sintomas possam reconhecer o problema, buscar tratamentos e iniciar algumas práticas que podem ajudar na superação. O livro oferece momentos de reflexão que ajudam a tirar o foco da depressão e colocar em meios que favorecem a mudança do estado da alma.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
O mercado literário é difícil para a maioria dos escritores, principalmente neste mundo ocupado pelas novas tecnologias e pela busca de informações rápidas.
O cotidiano da maioria das pessoas também não favorece muito a leitura, mas acredito no livro e creio que ele conquistou um espaço especial no mundo.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Através de pesquisa na internet sobre editoras.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Meu livro merece ser lido porque ele é uma ferramenta a mais para ajudar pessoas a superarem a Depressão.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com Demilson Bellese Guilhem - Autor de: FAMÍLIA RUZZON

Nascido em São Caetano do Sul – SP em 23 de maio de 1958, tem seus ascendentes todos europeus, pelo lado de sua mãe, Maria (Nena) Bellese, na Itália e pelo lado de seu pai, Manoel Guilhem filho, na Espanha. Pela chance oferecida pela lei de ambos os países obteve a cidadania italiana e espanhola, o que muito o orgulha. 
Graduado em Engenharia Civil e pós-graduado em Administração, Finanças e Controladoria, embora engenheiro, dedicou a maior parte de sua vida profissional na administração de empresas e pessoas. Mesmo com a formação na área de exatas desenvolveu ao longo de sua vida pessoal o grande interesse por História e em especial pela parte genealógica de sua família. 
Viajou, leu, visitou museus e buscou sempre referências aos fatos e dados de seus antepassados, em especial pelas narrativas de seus avós, tios, primos e de forma diferenciada de sua mãe. 
Tem como hobbies fotografia e filatelia.
A oportunidade de escrever o livro sobre a vida dos Ruzzon (bisneto de Ambrogio Ruzzon e Carlotta Baretta) o motivou e o desafiou pela grande responsabilidade de representar seus parentes da forma mais verdadeira e real sobre eles, desde o a origem na Itália até o crescimento com muitas lutas e desafios no Brasil. 
A conclusão é que apesar de tudo, os Ruzzon tornaram-se uma grande família no Brasil e com muito sucesso.

A Saga da família vivida entre dois países mostra que apesar das lutas e grandes desafios, o trabalho e dignidade humana podem trazer excelentes resultados.
Longinquamente, no século XIX iniciou-se a nossa história em um momento de grandes transformações no mundo. A Itália, com a sua unificação, e o Brasil, com a abolição da escravatura e a implantação da República, que traziam momentos de grande incerteza, desemprego, fome e exclusão das classes sociais mais baixas.
Nesse contexto, social e economicamente incerto, um jovem casal de camponeses italianos tem que definir o caminho para o seu futuro. A opção foi a imigração para o Brasil, que no início mostrou-se uma escolha errada, pela exploração que sofreram, mas ao longo de mais de um século, até chegarmos aos anos 2.000 com muito trabalho e tino comercial mostrou-se que essa decisão estava correta.
Hoje, a grande família Ruzzon iniciada com Carlotta e Ambrogio colhe os bons frutos das decisões corretas tomadas ao longo do tempo, mostrando que valeu a pena tudo o que passaram. 
Ao olharmos para trás fica certo que apesar das LUTAS a VITÓRIA foi o prêmio recebido.

Olá Demilson. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
É um livro de história de uma família italiana que imigra para o Brasil no final do século XIX e em meio a muitas lutas torna-se uma família vencedora.
Houve uma necessidade de tornar registrada as histórias orais que os antepassados nos contavam antes que elas desaparecessem com a passagem dos mais idosos.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Foi o primeiro livro que escrevi e me empolguei. Já tenho mais dois projetos um familiar e outro profissional para colocar em andamento. Espero realizá-los em 2019.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
É desafiador apresentar um livro em que você se empolga e não vê o retorno de interesse por ele. Mas não podemos desistir. Temos que insistir para que nivelemos para melhor nosso país e sociedade e a leitura é um grande alavanca nesse sentido.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Foi uma indicação de uma amiga escritora de livros de arte: Ângela Cantele.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
O meu livro tem um trajeto ao longo de mais de 150 anos pela história da Itália e do Brasil. Países em profunda transformação com a Ressurgimento na Itália e a com a libertação dos escravos e a chegada da República no Brasil. Essa leitura nos ajuda a entender como uma sociedade tipicamente rural se transforma em urbana com os desafios que essas populações enfrentaram.
Dentro de todo esse contexto a Família Ruzzon mostra a importância da família e de como o trabalho pode transformar vidas para melhor.

Obrigado pela sua participação.


Leia Mais ►