segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Entrevista com Pazanarquia - Autor de: ÚLTIMA RAZÃO POÉTICA

Pazanarquia
Nome literário de Alison Rodrigo Morais.
Nasceu em Guarapuava (PR) em 1984. Com oito anos chegou a Curitiba (PR), onde viveu até dezembro de 2014. Atualmente vive com a família, mulher e filha, na cidade de Antonio Carlos (SC). O interesse pela poesia se deu através dos fanzines punks que avidamente lia na adolescência. Foi através deles que teve contato com a poesia de Augusto dos Anjos e o pensamento filosófico de Nietzsche.




Métrica, fôrma, forma em rima em regra, censura, estética e mais e etc. Mordaças mordazes vociferam contra aquilo que pode ser, que poderia, mas que não é por dar ouvidos aos padrões de uma sociedade quadrada de gente quadrada que vive enquadrada numa moldura pendurada em uma parede globalizadora. Abaixo a métrica!






Olá Alison. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Poemas libertos do cabresto da metrificação dos versos. Um livro para espíritos livres.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Pretendo ser um poeta lido e discutido. Com certeza mais livros virão.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
O Brasil tem um gama de escritores comerciais muito grande. Quase tudo o que se publica por aqui, por grandes editoras, raramente tem algum valor literário, na maioria das vezes são obras descartáveis. Para aqueles que sangram a pena não há espaço.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Através da internet.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Eu diria que é um livro improprio para leitura para muitos, e para aqueles de espírito livre, como disse anteriormente, é uma ótima pedida.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Leia a entrevista com Expedito Gonçalves Dias - Autor de: VERSOS INQUIETOS / NA ABA DA LUA

Apaixonado pela vida, por pessoas, música, literatura e cinema, necessariamente nessa ordem...
Compartilha na rede experiências, bons momentos e os poemas que escreve desde 1966.
É natural da Zona da Mata Mineira, Cajuri-Viçosa. Cresceu em Visconde do Rio Branco-MG, andou por esse mundão e morou em Visconde de Rio Branco-MG, Mauá-SP, Ribeirão Pires-SP, São Bernardo do Campo-SP, Lavras-MG, Campo Belo-MG, Lambari-MG e Varginha-MG, a terra do E. T. onde montou tenda.

O Autor apresenta duas coletâneas distintas. Profundas, apaixonadas e únicas! Na primeira, nos mergulha em suas inquietações peculiares diante de um mundo árido. Não traz soluções mas distribui esperanças. Na segunda ele nos coloca diante da lua e passamos a sentir, como ele, as suas influências; ora vagas, outras profundas...







Olá Expedito. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Em 2015 eu estava em Barcelona, deitado na relva, num parque em Sant Just Desvern e resolvi de relance: "Voltando ao Brasil vou publicar meu livro!" Fiquei 52 dias por lá e ainda visitei a França. Ao voltar reuni os textos do livro VERSOS INQUIETOS que venho escrevendo desde os dezessete anos. Fiz contato com a Editora Scortecci e... descobri! Tinha muitos textos que falavam da lua e eu nem sabia. E contei o fato para quem me atendia na editora: 'Vou fazer duas coletâneas, posso?'.
E assim nasceu meu primeiro livro. Duas coletâneas. O primeiro traz versos ora doces, ora cortantes, ora pungentes, ora românticos. E, no final, uma coletânea sob os auspícios da lua!
Ele se destina ao leitor que vai além do gosto pela poesia, mas que gosta de inquietudes e questionamentos. Não trago soluções, mas tem esperança nas entrelinhas...

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
O livro está escrito, plantei muitas árvores e tenho 3 filhos dos quais me orgulho. Mas sou humano e um ser desejante. Meu projeto literário vai além dos livros que na verdade são quatro até agora. Falo deles: Ilynx é um livro que venho escrevendo aos poucos num blog criado há alguns anos atrás e que fala sobre minha criança interior (http://livro-ilynx.blogspot.com/.) Será o último a ser publicado desta lista. Estou terminando para mandar para o prelo um livro onde misturo prosa e poesia/Física Quântica e Poemas/ Ciência e Ficção. Vai ser lançado em 2 plataformas virtual e física e já tem nome "Burlando a Matrix - meu relógio parou!"(mas não tem editora ainda). E venho escrevendo muitos sonetos. Tinha alguns. E vou lançá-los juntos. Ainda não tem nome...
Além dos livros, tenho participado de atividades literárias e estamos criando em Varginha uma associação literária que vai dar o que falar (APESUL), onde pretendemos orientar e dar oportunidade para que os novos autores encontrem forma de se situarem no ambiente literário, sendo orientado como escrever, escrevendo, publicando, participando de saraus, feiras e festivais literários. A associação visa promover o encontro entre as pessoas através da literatura...

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A vida de um escritor deveria ser muito melhor. Mas não depende dele. Eu acho uma balela essa história de que temos poucos leitores no Brasil. Uma obra literária engloba vários elementos, material, pessoas, público. Para que o livro do escritor chegue ao leitor existem gargalos. E explicar isso precisaria de um outro livro.
A produção literária é que é pouco valorizada. E o livro é caro aqui e em todo o mundo. O fenômeno é mundial.
E não me pergunte o porquê, senão respondo que é uma opção da elite que realmente não tem o gosto literário tão requintado, embora esbanje charme. Ela prefere autores consagrados, mitos, mas que oferecem sempre o mesmo do mesmo. E as editoras embarcam nessa e deixam de promover os novos autores. É uma questão financeira, no final.
Mas, promover os novos escritores precisaria de um departamento especial de checagem para ver o que de novo e intrigante elas estão publicando e investir nisso, ao invés de vender a mercadoria fácil. 'Mercadoria' de mercado, mesmo, não de qualidade literária.
A internet confirma a minha teoria. Tirando os textos de poucos caracteres das redes, muito material literário de qualidade é consumido diariamente, de ilustres desconhecidos que se tornam mitos da internet, rapidinho.
Conheço vários livros que foram divulgados pelos próprios autores nas suas redes e a editora nem soube que vendeu devido a isso. E elas vão perdendo seu cast pois os autores novos vão percebendo que a editora que publicou seu livro não está nem aí.
Existe uma crise de grandes editoras? Existe sim. Por isso e por outros motivos que não cabem aqui comentar.
Então existe demanda. Falta oferta!
Vim de família humilde e lia tudo o que surgia pela frente. Mas não tinha dinheiro para bancar minha fome de literatura.
Agora com a internet, o acesso se dá mais facilmente. Acontece com o livro o que aconteceu com a indústria fonográfica, transporte, etc. Vai ser preciso fazer uma releitura e mudança dos meios de atendimento de demandas em todos os setores.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Eu escrevi meus textos com carinho e precisava que se transformasse num livro. A Scortecci sempre foi uma referência, mesmo antes da internet. Editou grandes livros, de grandes autores que influenciaram minha vida. Procurá-la na internet foi o resultado dessa ideia de que era preciso fazer um livro de qualidade. Era o meu livro, puxa vida!
E fui feliz. Fiz tudo online. Saiu em papel Avena, ilustrado, do jeito que eu queria. Sem precisar mexer em nada depois. Esta satisfação e tranquilidade é algo que faz uma grande diferença. Tratamos tudo por e-mails, trocamos pdf de provas, a editora fez os registros necessários. Indiquei uma transportadora da minha cidade e em menos de três meses, recebi as caixas com os livros.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Todo autor merece ser lido. Mais que isso: PRECISA SER LIDO!
"Versos Inquietos/Na Aba da Lua" é um livro com duas coletâneas. A primeira coletânea é forte. Tem poesia para todos os gostos. Do simples ao requintado. Do leve ao profundo. Das inquietudes que levam ao inferno interior, às utopias que nos sustentam nas nuvens. E às heterotopias, que nos tiram da caixinha nos levando a pensar em altas viagens. Tiro o chão, mas deixo uma tábua estreita para que o leitor não me condene de vez!
A segunda coletânea aconteceu por conta de perceber de última hora que havia muitos poemas que falavam da lua. Liguei para quem me atendia na editora e combinamos montar as duas coletâneas. E ela concordou com a ideia.
O livro, para os leitores que apenas gostam de poesia, de forma exotérica, romântica, leve... é tudo de bom. Para quem gosta de leitura mais acurada, assuntos definidos, é ótimo. Para quem gosta de um toque esotérico, para um mergulho espiritual é também recomendado.
E quem for mais fundo vai ver um toque autobiográfico em sua construção. Mas só para quem lê as entrelinhas.
Fiz um vídeo do livro e ele se encontra no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=58Yaqbn5zWk&t=16s . Foi feito no memorial do ET, em Varginha-MG, quando estava ainda em construção.
E deixo um pensamento meu: “O poeta na ânsia de pintar os sentimentos busca as cores na natureza, mas acaba encontrando-as dentro de si…”
Expedito Gonçalves Dias - (Profex).

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com João Uilson e Ronilson de Sousa Lopes - Autores de: FILOSOFIA E VIDA

Nasceu em Barbalha – CE. Graduado em filosofia pelo Instituto Santo Tomás de Aquino – ISTA. Pós-Graduado em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro - IFTM. Foi professor na rede Estadual de Educação de Minas Gerais e no colégio Atenas em Patrocínio-MG. 
Atualmente é professor de filosofia no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais – IFSULDEMINAS, Campus Avançado Carmo de Minas. 
É o autor do Livro Desencontro pela Editora o Lutador e dos livros de cordéis Mitologia Grega e Diálogos Filosóficos em Literatura de Cordel, este último em parceria com Ronilson Lopes. 

Ronilson de Sousa Lopes
Nascido em Carolina – MA, passou sua infância na cidade de Goiatins no Estado do Tocantins. Licenciado em Filosofia pelo Instituto Santo Tomás de Aquino – ISTA. Possui Pós-Graduação em Metodologia do Ensino de Filosofia e Sociologia pelo Centro Universitário Barão de Mauá.
Atualmente é professor de Filosofia no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas - IFAM Campus Lábrea.
É o autor do Livro Contos do meu sertão pela Editora o Lutador, do livro de cordel O Fofoqueiro e de vários outros folhetins de cordel.

O livro é uma coletânea de cartas que abordam diversos conteúdos filosóficos, como a existência humana, ontologia, amizade, felicidade, espiritualidade, política, estética, educação, conhecimento e outros.










Olá João e Ronilson. É um prazer contar com as suas participações no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
João
O Livro Filosofia e Vida: Diálogos entre amigos, de minha autoria e em parceria com Ronilson Lopes, é uma coletânea de cartas que foram escritas por nós nesses últimos anos. Ele, no Estado do Amazonas e eu no Estado de Minas Gerais, trocávamos correspondência, relembrando dos anos de convivência na vida seminarística e dos anos em que cursamos filosofia. Eis o porquê do título: Filosofia e Vida. Assim, o livro apresenta ao leitor uma série de abordagens filosóficas, com uma linguagem simples, reflexiva e acessível. Com isso, o público leitor é diverso, crianças, adolescentes, adultos e idosos, podem se debruçar sobre as cartas compartilhadas e refletir sobre a vida pelo viés filosófico.
Ronilson
O livro, Filosofia e vida: diálogos entre amigos, como o próprio nome fala, está relacionado à ressignificação dos conceitos filosóficos a partir do cotidiano. A ideia de publicá-lo, na verdade, surgiu quando ele já estava escrito, por que se trata de uma série de cartas. João Uilson e eu somos amigos. Sendo ele de Barbalha - CE e eu de Carolina - MA. Nos conhecemos no Gama, Brasília, quando entramos em um Seminário de formação para o Sacerdócio, chamado Filhos de Maria Imaculada, dos Religiosos Pavonianos, cujo Fundador é o Italiano Ludovico Pavoni. Estudamos filosofia juntos, no Instituto Santo Tomás de Aquino - ISTA, em Belo Horizonte - MG, entre os anos de 2008 a 2010. Em 2011 eu saí do Seminário e, por coincidência, João também saiu. Porém, ele ficou em Minas, atuando como professor, a princípio do Estado, posteriormente do Instituto Federal de lá, e eu vim para o Amazonas onde atuo, da mesma forma como professor da rede Estadual e em seguida Federal. Os primeiros dias, semanas, meses, anos...foram de muita solidão, longe da família e dos muitos amigo com os quais tinha convivido durante oito anos de Congregação Religiosa. Talvez, por esse motivo, começamos a escrever um para o outro, falando da vida, dos problemas, dos sonhos e, é claro, daquilo que estávamos pensando e repensando em filosofia. Depois de alguns anos resolvemos publicar estas cartas em forma de livro. Por ser cartas, a linguagem é bem simples, no entanto, não deixa de ser profundo. Pode ser lido por crianças, adolescentes, jovens e adultos. O que torna o projeto muito bacana.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
João
Com certeza continuarei escrevendo para que outros livros possam surgir. Este livro não é o primeiro, antes dele já escrevi folhetins de cordel, poesias e o livro Desencontro. No entanto, Filosofia e Vida: Diálogo entre amigos, é especial, o contexto no qual ele surgiu e as reflexões presentes nele, fazem dele uma obra diferenciada. Costumo dizer que escrever é minha sina, e me realizo nisso. No entanto, essa realização só é possível, porque tenho comigo pessoas que me inspiram e me sustentam. Dentre elas, minha querida mãe, que despertou em mim a escrita, ao criar e nos contar estórias antes de dormir, quando minhas irmãs e eu éramos crianças. Também minha amada esposa, Luciana Marra, que me apoia e me incentiva, dando-me todo o suporte nessa arte de escrever. E a nossa linda filha, Maria Júlia, que me apresenta constantemente realidades inspiradoras. Sou imensamente grato e realizado por essas pessoas na minha vida.
Ronilson
Como já citei acima, sou natural de Carolina no Maranhão, porém vivi algum tempo em Goiatins no Tocantins. Gosto muito de lá. Muito me apraz ler. Meus autores preferidos são: Edigar Allan Poe, Ernest Hemingway, Sartre, Thiago de Mello, Ferreira Gullar e também amo a literatura de cordel. Eu já escrevi um livro chamado, Contos do meu Sertão, pela Editora O Lutador. Participei da Antologia Basta, pela PVB, de muitas antologias da Scortecci e escrevi vários folhetins de cordel. Todavia, este livro, para mim é o mais importante. Eu me sinto realizado, primeiro por ter uma família que me ama, minha esposa Vanessa, meus filhos Felype e Miguel; segundo, por contribuir com as pessoas através do meu trabalho como professor de Filosofia e; terceiro, por fazer projetos como este na área de literatura.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
João
Ser escritor no Brasil é um grande desafio, não basta somente escrever para aqueles que já nos leem, é preciso alcançar os que se dizem não ter gosto pela leitura, talvez por isso, escrever para mim é tão desafiador e atrativo. Somado a isso, ainda tem o fato de que publicar e comprar livros no Brasil, custa caro. Portanto, são muitos desafios que mais me estimulam a continuar escrevendo, do que empecilho para a escrita. Não é o cenário ideal para o escritor, quem sabe por isso, seja tão importante escrever.
Ronilson
Eu escrevo por que tenho uma necessidade interna de escrever. Socializar é importante, eu gosto de partilhar, afinal vê um texto que eu escrevi sendo lindo é maravilhoso. Penso que hoje há muitas maneiras de publicar, inclusive. Agora, viver de literatura é muito difícil, pelo menos não é o meu caso. Meu primeiro livro eu conseguir vender e tirar o dinheiro que eu apliquei nele, os outros nem isso. Mas continuo escrevendo. Acredito que precisamos formar o hábito de leitura nas pessoas.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
João
Foi Ronilson quem me apresentou a Scortecci Editora. Na ocasião procurávamos uma editora para a publicação de nosso livro. Optamos por contratar os serviços da Scortecci, devido a diversidade de serviços oferecidos e, em contrapartida, os custos serem tão baixos.
Ronilson
Aqui em Lábrea, onde moro há um escritor que publicou um livro pela Scortecci e, como eu estava lendo o livro dele, dei uma olhada no nome da editora. Como eu estava pensando em publicar um livro resolvi fazer um orçamento, o qual nem deu certo na época. Mais tarde, recebi um e-mail da editora com um anúncio das antologias, daí comecei a participar. Quando João e eu resolvemos publicar as cartas demos uma olhada e percebemos que os serviços da Scortecci além de serem mais baratos eram bem mais interessantes que as demais, porquê havia muitas possibilidades de divulgação e isso nos deixou empolgados para fazer nosso trabalho nessa editora.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
João
Conjugar Filosofia e Vida é urgente. As vezes não temos tempo para refletir sobre quem somos, ou sobre os sentidos de nossa existência. A filosofia, historicamente, fez parte de um grupo seleto de pessoas, outras por sua vez, não perceberam e não percebem a importância da reflexão filosófica na vida. Este livro vem fazer essa aproximação, trazer a filosofia para o cotidiano das pessoas. É um livro não apenas com uma única mensagem, mas mensagens que podem transformar vidas, por isso, ele merece ser lido e relido.
Ronilson
O livro, Filosofia e vida: diálogos entre amigos, merece ser lido. Acredito que ele pode contribui para refletir a vida, o cotidiano, a partir de uma perspectiva filosófica. A filosofia não é um saber inacessível, que só possa ser efetuado por especializados no assunto, ela surge a partir da vida, desde que tenhamos coragem para problematizar, questionar, analisar, refletir. Uma criança por exemplo, por não ter se habituado ao mundo, vive se espantando, questionando: o que é isso? Por que isso acontece? Como acontece? Somos tentados a dá nossa resposta, matando a curiosidade, mas o importante não é a resposta, mas a pergunta e, a cima de tudo, o processo de busca de uma resposta. Esse processo de busca, de inquietação pode ser doloroso, mais extremamente necessário. Assim, se possível, com essa leitura, desejo-te, uma dúvida.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

domingo, 20 de janeiro de 2019

Entrevista com Diana Guenzburger - Autora de: LUXO, SEGREDOS, CRIME

Nasceu e vive no Rio de Janeiro, é Mestre em Química e Doutora em Física. Trabalhou em pesquisa científica até se aposentar, e agora escreve ficção. Publicou o romance “Morte no condomínio”, editora Sinergia (2013) e editora Chiado (2015), que recebeu Menção Honrosa no Concurso Internacional da União Brasileira de Escritores (UBE/RJ) em 2014. Publicou a coletânea de contos “O fantasma de Paquetá (e outras histórias)”, editora Scortecci (2015), que recebeu o prêmio Mauritônio Meira da UBE/RJ em 2017. 
Os contos publicados incluem “Encontro em Ipanema”, na revista RenovArte da UBE/RJ (2017); “A excursão” e “Os macacos”, na antologia “Fernando Pessoa e convidados”, editora Mágico de Oz (2014); “Paquetá”, na antologia “Verso, testemunho, prosa”, editora Oficina do Livro (2015); “Cinderela moderna”, na antologia “Palavras abraçadas”, editora Scortecci (2016); “A passageira do assento 13C”, na antologia “O silêncio das palavras”, editora Scortecci (2018).
Participou da Oficina Literária do prof. Ivan Proença (Rio de Janeiro, RJ) entre 2014 e 2016.

Neste romance, a autora segue a linha narrativa utilizada em seu primeiro livro, “Morte no condomínio”, fazendo uma mistura do gênero policial e suspense com crônica de determinada comunidade social da cidade do Rio de Janeiro. Enquanto no primeiro livro a trama se desenrolava num condomínio de classe média, em “Luxo, segredos, crime” o ambiente em que se desenvolvem os acontecimentos é uma família da classe mais abastada da cidade. Iniciando-se com um assassinato ocorrido em festa suntuosa na mansão do patriarca milionário, uma visão retroativa descreve a vida dos personagens, filhos e outros parentes, mostrando seus problemas, intrigas, ambições e segredos. Levanta-se a suspeita de que, por baixo de tanto luxo e poder, havia motivações que poderiam levar até ao crime. 
O delegado Paulo Damasceno, agora na Divisão de Homicídios, é chamado para coordenar a investigação do assassinato. Como é seu modus operandi habitual, o policial tenta envolver-se com a família, porque acredita que só o conhecimento da psicologia dos suspeitos levará à descoberta do criminoso. Enquanto isso, outras tramas estão se desenrolando, e outros crimes irão ocorrer, aumentando o suspense e clima de medo dentro da família, até que os fatos sejam desvendados e os criminosos punidos.

Olá Diana. É um prazer contar novamente com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O romance “Luxo, segredos, crime” é um livro de suspense cujo enredo se desenrola numa família rica do Rio de Janeiro. Iniciando-se com um assassinato ocorrido em festa de casamento suntuosa na mansão do patriarca, uma visão retroativa descreve a vida dos personagens, filhos e outros parentes, mostrando seus problemas, intrigas, ambições e segredos. Levanta-se a suspeita de que, por baixo de tanto luxo e poder, havia motivações que poderiam levar até ao crime.
Enquanto o delegado Paulo Damasceno investiga os suspeitos, outras tramas se desenvolvem e outros crimes irã ocorrer, aumentando o suspense e clima de medo dentro da família, até que os fatos sejam desvendados e os criminosos punidos, no final surpreendente.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Após uma carreira em pesquisa científica em Física e Química, aposentei-me e agora dedico-me a escrever ficção. Meu gênero preferido é policial e suspense. Já publiquei três livros: “Morte no condomínio”, que recebeu Menção Honrosa no concurso Internacional da União Brasileira de Escritores (UBE), o livro de contos “O fantasma de Paquetá” pela Scortecci, que recebeu o prêmio Mauritônio Meira da UBE e “Luxo, segredos, crime” pela Scortecci.
Meu objetivo é escrever romances ou contos que sejam de agrado geral, mas com qualidade literária. Para isso frequento Oficinas e Cursos de Literatura.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A vida de um escritor no Brasil é muito difícil, ainda mais agora que as grandes livrarias estão fechando. As editoras maiores e mais importantes não acolhem autores novos ou desconhecidos, restando o caminho da auto-publicação. O mais difícil (quase impossível) é a distribuição e exibição dos livros em livrarias.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Conheci a Scortecci através de uma amiga escritora, que publicou um livro com esta editora e ficou muito satisfeita com a seriedade e profissionalismo.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Meu romance “Luxo, segredos, crime” é uma trama de suspense, que prende a atenção do leitor do começo até o final surpreendente. A história é cheia de reviravoltas e os personagens são interessantes e originais.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com Inêz Lourenço - Autora de: BIA E BELLA

Inêz lourenço
Nascida em Riversul-SP,é formada em Letras, tendo atuado como professora em escolas públicas e particulares.
Amante da natureza, motivo este da escolha da cidade de Brotas-SP para morar.
Mãe de um casal de filhos, avó de um neto e três netas.
Adora um bom livro, tendo como hobby a escrita, é ganhadora de vários concursos literários.




Conta a história de duas primas inseparáveis e uma experiência única:
salvar um menino da magia de uma malvada bruxa. Será que elas conseguem?




Olá Inêz. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Bia e Bella nasceu do amor a literatura infantil, sempre me emociono com histórias que nos leva ao mundo imaginário. Está direcionada as crianças de 3 à 10 anos, e também aos adultos amantes da literatura infantil, já que somos eternas crianças!

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Sou uma eterna apaixonada por livros e escritas, mas nunca imaginei que Bia e Bella fosse o primeiro a ser publicado, pois tenho outros já prontos, com certeza esse será o primeiro de muitos.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Acredito que o valor está na arte da escrita, pois quando o escritor chama atenção do leitor, pode ter certeza de que ele vai ler o livro, mesmo não sendo um leitor assíduo. Quanto ao nosso país, acredito que cabe a nós mudar com livros atrativos as crianças, pois os leitores do futuro, são os crianças de hoje.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Sempre tive conhecimento dessa editora, só não enviei a obra antes por achar que teria de encontrar um ilustrador para a obra, quando fiquei sabendo que era a editora a responsável pelo trabalho, encontrei o site e enviei.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Sim. Quando se escreve uma história, acreditamos que alguém leia e comente esse trabalho, não importa o tipo de comentário, pois se for uma crítica, que ela seja construtiva, assim poderemos melhorar a nossa escrita.
Aos leitores de Bia e Bella, espero que gostem desse trabalho, e que possam viajar através da leitura nesse mundo imaginário. Deixo o meu sincero agradecimento por se aventurarem a ler a obra de uma escritora pouco conhecida no mundo da literatura infantil.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

Entrevista com Maria Viola Bona - Autora de: QUANDO A VIDA NÃO OFERECE ESCOLHAS

É natural de Baixo Guandu, Estado do Espírito Santo, graduada em Geografia pela Universidade Federal do ES, e pós-graduada em Planejamento Educacional. Dedicou a maior parte da sua vida à área da educação em diferentes níveis de ensino e em funções diversas.
Participou de várias antologias ao longo dos anos com poemas e crônicas.
No final de 2014 publicou seu primeiro livro, um romance com o título Cenas da Vida, pela Chiado Editora.
É membro efetivo da Academia de Letras de Vila Velha, cadeira nº. 40 e membro da Academia Capixaba de Letras e Artes dos Poetas Trovadores, cadeira nº. 20.

Os irmãos Jerônimo e Theodoro enfrentam os fantasmas impostos pela vida e se deparam com situações inusitadas que tolhem a sua capacidade de reação. São vítimas de questões internas não superadas que, aniquilando os sentimentos, levam ao isolamento e à autoproteção como meio de sobrevivência.
Em Quando a vida não oferece escolhas, vamos acompanhar a trajetória dessas personagens e seus conflitos e perceber que, de uma forma ou de outra, a vida segue e sempre se encarrega de acomodar todos os dilemas existenciais.

Olá Maria. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
1. Trata de questões emocionais e imprevistos que surgem na vida
2.  A ideia surgiu da associação de fatos reais e imaginários, no caso, romanceados
3.   Destinado ao público juvenil e adulto.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Sempre fui uma leitora assídua e meu projeto é continuar trabalhando com as palavras e com as emoções, então, pretendo continuar escrevendo. No momento estou rascunhando "Eu me encontro, tu te encontras" e tenho também alguma coisa elaborada para o público infantil.
É o meu segundo livro, em 2014 publiquei "Cenas da Vida", pela Editora Chiado.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Acho que não dá pra pensar nesses termos, mas sim no prazer em escrever. Tudo pode acontecer.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Material de propaganda numa bienal em São Paulo, há alguns anos.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Claro que merece ser lido. Porque é uma leitura até certo ponto instigante e trata dos conflitos existenciais.
Acredito que gostarão de ler "Quando a vida não oferece escolhas", é uma leitura leve e fácil com questionamentos e reflexões.

Obrigado pela sua participação.

Leia Mais ►

Entrevista com Flavia Alice Zogbi - Autora de: VINDAS VIDA IDAS

(1963) nasceu em São Paulo, capital. Sobrinha neta de Assad Bittar, filósofo e poeta. Fez duas faculdades: Psicologia e Letras, especialista de espanhol. Nos anos noventa escreveu seu primeiro livro “Vindas Vida Idas” de autoajuda, filosófico e espiritual. Foi uma produção pequena que teve muito sucesso na época. Em 2008 sofreu uma grave doença que a deixou de cadeira de rodas. Em 2016 escreveu “Caminhos de pedra, terra e areia. Caminhos de uma vida”. Esse livro foi traduzido para o espanhol e fez sucesso na Argentina. Agora volta a reescrever seu livro “Vindas Vida Idas” com uma nova visão. Depois de passar por tantos desafios em sua vida sente que é hora de repassar essas vivencias.

Com o intuito de propiciar os primeiros passos para novas experiências, esta obra procura incentivar o leitor à reflexão e ao questionamento de seus comportamentos, de seus pensamentos e de seus sentimentos. Alguns textos são baseados na própria experiência da autora. Outros, em fruto de estudos de várias teorias: filosóficas, espirituais e psicológicas.
Quando realizei esse livro na década de 90 sentia que faltava algo. Por que escrevi esse texto? Hoje tenho essa resposta. Depois da minha doença grave no final dessa mesma década, percebi o quanto me ajudou e me ajuda a superar meus desafios do dia a dia. 
“A leitura de VINDAS VIDA IDAS encanta pela delicadeza e harmonia que invoca pontos essenciais da vida. Não é fácil atingir essa maturidade e assim crescer e perceber que você alcançou sua plenitude. Enfrentar problemas nos ensina a desafiá-los. Destaca-se a importância de sonhar, pois o sonho engrandece, impulsiona, e nem sempre é caminho que imaginamos, vai além da nossa percepção. A cada leitura fui aprendendo e conhecendo a importância de nos valorizarmos e continuarmos a caminhada em busca do auto- conhecimento e da felicidade.” Dra Vivian Elito Maluf. 
E você já pensou em mudar a sua vida para encontrar felicidade e paz? 


Olá Flávia. É um prazer contar, novamente, com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Este livro Vindas Vida e Idas é um livro de auto-ajuda, mas também de reflexão positiva. Quando o escrevi não imaginava o quanto seria importante em minha vida. Passei por muitos problemas de saúde e este livro me ajudou muito a superar cada desafio que surgia. Quando tive a última crise e a mais difícil senti que deveria aprimorar este livro. Acrescentar mais informações sobre o que estava acontecendo comigo. E assim mostrar o que podemos fazer para superar o que aparece em nossa vida. Acredito que o querer é muito importante para quem quer melhorar. Esta obra foi feita para adolescentes e adultos que precisem de algo para motivar a superar seus caminhos de desafios.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Eu escrevi três livros que considero como meus filhos. Eles são de temas variados: romance, aventura e auto-ajuda. Todos possuem algo a mais que tento passar para o leitor. Para que reflitam sobre suas vidas para motivar para melhor. São eles: Caminhos de pedra, terra e areia; Antologia Silencio das palavras e este último Vindas Vida Idas.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Acho que a visão de pouco valorizada a leitura está mudando. Há projetos de incentivo para ler de maneira gratuita e quem sabe isso motive a comprar mais livros nas livrarias. Outro ponto importante e o crescimento das pequenas editoras, o que mostra que tudo é possível.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Através de uma amiga que conhece o dono. Gostei muito do profissionalismo e do carinho para com os escritores.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Uma amiga especial fez esse comentário:
" A leitura do seu livro VINDAS VIDA IDAS encanta pela delicadeza e harmonia que você invoca pontos essenciais da vida.
Não é fácil atingir essa maturidade e assim crescer e você a alcançou na sua plenitude. Enfrenta desafios e nos ensina a desafiá-los. 
O dia a dia intenso e agitado, que através do seu livro podemos refletir e até enxergar pontos imperceptíveis.
Você destaca a importância de sonhar, pois o sonho engrandece, impulsiona, nem sempre no caminho que imaginamos, vai além da nossa percepção.
A cada leitura fui aprendendo e conhecendo a importância de nos valorizarmos e continuarmos a caminhada em busca do conhecimento e da felicidade."

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

Entrevista com Luís Carlos Salomão - Autor de: A (IN)JUSTIÇA DOS HOMENS

É professor das redes municipal e estadual de ensino. Formado em Educação Física, Letras e Pedagogia, tem vasta experiência como educador. Além de vários cursos de aperfeiçoamento, frequentou por mais de dez anos a Sociedade de Psicanálise Integral – Trilogia Analítica. Fora a presente obra, escreveu: Esportes, afeto ou agressão?; Reflexões de ouro da humanidade e outros três romances ainda não publicados.



Antes de mais nada, esse é um livro polêmico. Um romance crítico. Aborda de maneira sucinta e objetiva muito dos problemas que a sociedade atual enfrenta em seu dia a dia. Contudo não é um livro que apresenta tão somente críticas e polêmicas, e um manuscrito também irônico, com uma veia de graça e bom astral. Leve e prazeroso. Com estilo simples e direto, Salomão aborda temas espinhosos sem ser maçante e autoritário. E como não poderia deixar de ser, analisa também aspectos psicológicos e religiosos do ser humano, visando seu próprio progresso e evolução.



Olá Luis Carlos. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.


Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
O livro é um romance crítico. Gira em torno do que é justo ou injusto nas leis feitas pelos homens. Conta fatos do cotidiano das pessoas e da sociedade em que vivemos.
O livro surgiu através dos fatos vivenciados pelo autor e por um momento de desabafo.
É destinado a todas as pessoas que se interessam por uma vida mais digna e pela busca da felicidade.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Este é o meu terceiro livro; meu primeiro romance publicado. Minha primeira formação acadêmica é Educação Física; mas como sempre tive interesse em literatura, resolvi fazer letras para seguir também a carreira de escritor. Esta é a melhor forma que vejo para que possa contribuir para uma sociedade mais justa e igualitária.
Minha visão de mundo se baseia na Trilogia Analítica a qual VÊ o homem como um ser integral: corpo, mente e espírito.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Difícil, muito difícil. Para mim não é algo trabalhoso a pesquisa é a escrita, mesmo sendo algo que necessita muita dedicação. Para mim o mais trabalhoso é a própria publicação é divulgação da obra; é mesmo o fato de convencer as pessoas a lerem.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Este é o meu segundo livro publicado pela Scortecci. Acredito que foi através da internet que a conheci. Já havia lido outros livros de sua publicação é apreciei sua qualidade editorial.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Acredito sim que o meu livro merece ser lido; não pelo fato de eu ser o autor, mas por ter uma mensagem de esperança e alegria. Mensagem esta que mostra que o ser humano é dotado de resiliência e capacidades que fazem com que ele supere todo é qualquer obstáculo que possa aparecer em seu caminho.

Obrigado pela sua participação.
Leia Mais ►