segunda-feira, 28 de janeiro de 2019

Leia a entrevista com Expedito Gonçalves Dias - Autor de: VERSOS INQUIETOS / NA ABA DA LUA

Apaixonado pela vida, por pessoas, música, literatura e cinema, necessariamente nessa ordem...
Compartilha na rede experiências, bons momentos e os poemas que escreve desde 1966.
É natural da Zona da Mata Mineira, Cajuri-Viçosa. Cresceu em Visconde do Rio Branco-MG, andou por esse mundão e morou em Visconde de Rio Branco-MG, Mauá-SP, Ribeirão Pires-SP, São Bernardo do Campo-SP, Lavras-MG, Campo Belo-MG, Lambari-MG e Varginha-MG, a terra do E. T. onde montou tenda.

O Autor apresenta duas coletâneas distintas. Profundas, apaixonadas e únicas! Na primeira, nos mergulha em suas inquietações peculiares diante de um mundo árido. Não traz soluções mas distribui esperanças. Na segunda ele nos coloca diante da lua e passamos a sentir, como ele, as suas influências; ora vagas, outras profundas...







Olá Expedito. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Em 2015 eu estava em Barcelona, deitado na relva, num parque em Sant Just Desvern e resolvi de relance: "Voltando ao Brasil vou publicar meu livro!" Fiquei 52 dias por lá e ainda visitei a França. Ao voltar reuni os textos do livro VERSOS INQUIETOS que venho escrevendo desde os dezessete anos. Fiz contato com a Editora Scortecci e... descobri! Tinha muitos textos que falavam da lua e eu nem sabia. E contei o fato para quem me atendia na editora: 'Vou fazer duas coletâneas, posso?'.
E assim nasceu meu primeiro livro. Duas coletâneas. O primeiro traz versos ora doces, ora cortantes, ora pungentes, ora românticos. E, no final, uma coletânea sob os auspícios da lua!
Ele se destina ao leitor que vai além do gosto pela poesia, mas que gosta de inquietudes e questionamentos. Não trago soluções, mas tem esperança nas entrelinhas...

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
O livro está escrito, plantei muitas árvores e tenho 3 filhos dos quais me orgulho. Mas sou humano e um ser desejante. Meu projeto literário vai além dos livros que na verdade são quatro até agora. Falo deles: Ilynx é um livro que venho escrevendo aos poucos num blog criado há alguns anos atrás e que fala sobre minha criança interior (http://livro-ilynx.blogspot.com/.) Será o último a ser publicado desta lista. Estou terminando para mandar para o prelo um livro onde misturo prosa e poesia/Física Quântica e Poemas/ Ciência e Ficção. Vai ser lançado em 2 plataformas virtual e física e já tem nome "Burlando a Matrix - meu relógio parou!"(mas não tem editora ainda). E venho escrevendo muitos sonetos. Tinha alguns. E vou lançá-los juntos. Ainda não tem nome...
Além dos livros, tenho participado de atividades literárias e estamos criando em Varginha uma associação literária que vai dar o que falar (APESUL), onde pretendemos orientar e dar oportunidade para que os novos autores encontrem forma de se situarem no ambiente literário, sendo orientado como escrever, escrevendo, publicando, participando de saraus, feiras e festivais literários. A associação visa promover o encontro entre as pessoas através da literatura...

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
A vida de um escritor deveria ser muito melhor. Mas não depende dele. Eu acho uma balela essa história de que temos poucos leitores no Brasil. Uma obra literária engloba vários elementos, material, pessoas, público. Para que o livro do escritor chegue ao leitor existem gargalos. E explicar isso precisaria de um outro livro.
A produção literária é que é pouco valorizada. E o livro é caro aqui e em todo o mundo. O fenômeno é mundial.
E não me pergunte o porquê, senão respondo que é uma opção da elite que realmente não tem o gosto literário tão requintado, embora esbanje charme. Ela prefere autores consagrados, mitos, mas que oferecem sempre o mesmo do mesmo. E as editoras embarcam nessa e deixam de promover os novos autores. É uma questão financeira, no final.
Mas, promover os novos escritores precisaria de um departamento especial de checagem para ver o que de novo e intrigante elas estão publicando e investir nisso, ao invés de vender a mercadoria fácil. 'Mercadoria' de mercado, mesmo, não de qualidade literária.
A internet confirma a minha teoria. Tirando os textos de poucos caracteres das redes, muito material literário de qualidade é consumido diariamente, de ilustres desconhecidos que se tornam mitos da internet, rapidinho.
Conheço vários livros que foram divulgados pelos próprios autores nas suas redes e a editora nem soube que vendeu devido a isso. E elas vão perdendo seu cast pois os autores novos vão percebendo que a editora que publicou seu livro não está nem aí.
Existe uma crise de grandes editoras? Existe sim. Por isso e por outros motivos que não cabem aqui comentar.
Então existe demanda. Falta oferta!
Vim de família humilde e lia tudo o que surgia pela frente. Mas não tinha dinheiro para bancar minha fome de literatura.
Agora com a internet, o acesso se dá mais facilmente. Acontece com o livro o que aconteceu com a indústria fonográfica, transporte, etc. Vai ser preciso fazer uma releitura e mudança dos meios de atendimento de demandas em todos os setores.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Eu escrevi meus textos com carinho e precisava que se transformasse num livro. A Scortecci sempre foi uma referência, mesmo antes da internet. Editou grandes livros, de grandes autores que influenciaram minha vida. Procurá-la na internet foi o resultado dessa ideia de que era preciso fazer um livro de qualidade. Era o meu livro, puxa vida!
E fui feliz. Fiz tudo online. Saiu em papel Avena, ilustrado, do jeito que eu queria. Sem precisar mexer em nada depois. Esta satisfação e tranquilidade é algo que faz uma grande diferença. Tratamos tudo por e-mails, trocamos pdf de provas, a editora fez os registros necessários. Indiquei uma transportadora da minha cidade e em menos de três meses, recebi as caixas com os livros.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Todo autor merece ser lido. Mais que isso: PRECISA SER LIDO!
"Versos Inquietos/Na Aba da Lua" é um livro com duas coletâneas. A primeira coletânea é forte. Tem poesia para todos os gostos. Do simples ao requintado. Do leve ao profundo. Das inquietudes que levam ao inferno interior, às utopias que nos sustentam nas nuvens. E às heterotopias, que nos tiram da caixinha nos levando a pensar em altas viagens. Tiro o chão, mas deixo uma tábua estreita para que o leitor não me condene de vez!
A segunda coletânea aconteceu por conta de perceber de última hora que havia muitos poemas que falavam da lua. Liguei para quem me atendia na editora e combinamos montar as duas coletâneas. E ela concordou com a ideia.
O livro, para os leitores que apenas gostam de poesia, de forma exotérica, romântica, leve... é tudo de bom. Para quem gosta de leitura mais acurada, assuntos definidos, é ótimo. Para quem gosta de um toque esotérico, para um mergulho espiritual é também recomendado.
E quem for mais fundo vai ver um toque autobiográfico em sua construção. Mas só para quem lê as entrelinhas.
Fiz um vídeo do livro e ele se encontra no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=58Yaqbn5zWk&t=16s . Foi feito no memorial do ET, em Varginha-MG, quando estava ainda em construção.
E deixo um pensamento meu: “O poeta na ânsia de pintar os sentimentos busca as cores na natureza, mas acaba encontrando-as dentro de si…”
Expedito Gonçalves Dias - (Profex).

Obrigado pela sua participação.

Um comentário:

  1. Sinto-me honrado e homenageado. Agradeço aos que lerem a entrevista e coloco-me à disposição para outras perguntas.
    Abraços a todos que curtem boa leitura!

    ResponderExcluir