segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Entrevista com Karina Pequeno - Autora de: PALOMA BLUM

Karina Pequeno
É brasileira, natural de São Paulo. Nasceu em 23 de maio de 1994.
Atualmente é escritora. Seu primeiro romance publicado chama-se Paloma Blum.
Desde sempre esteve envolvida no mundo da arte. Sendo eles: desenho, fotografia, música e a sétima arte.
Escreve textos desde os 14 anos, com a intenção de se tornarem roteiros.
Sua primeira obra publicada ocorreu no ano de 2014.
Tem um curto curso de roteiro iniciado e terminado no mesmo ano do lançamento de sua primeira obra.

Paloma Blum
É um livro que surpreende o  leitor. Envolve muito mistério.
O leitor conhece Paloma Blum pelos olhos de Daniel, que a narra a partir do momento em que ela entra na vida dele: trabalhando na mesma loja.
Daniel se prende aos pequenos detalhes: Em um dia age como uma menina, em outro como uma mulher. Ora é culta, ora fala gírias. Ora está formal, ora com um boné.
Daniel começa ter um apego por ela, colocando apelidos em quem se aproxima.
Vê Paloma conquistar do ouro ao diamante, e conforta-a quando dela, só sobra o nome.

Percebe que estar com
Blum é um jogo perigoso. Decide recuar, quando se torna tarde.


Olá Karina. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
Meu livro é um romance fictício que envolve muito mistério. Há partes de humor devido ao ciúmes do personagem Daniel.
Foi um refúgio. Eu trabalhava o dia inteiro em pé em uma loja. Teve um dia que eu caí na real, e percebi que não adiantava eu ficar reclamando das coisas, se eu não fizesse nada pra mudar. Foi então que dei valor à minha escrita. Comecei a pesquisar como se fazia um romance, e em questão de dois meses e doze dias, eu já me encontrava com um romance em mãos.
Acho que Blum atrai um público curioso, devido ao nome. As pessoas não terem conhecimento, se interessam por querer conhecê-la.
Quando terminei de escrever, vi que poderia atrair mais universitários.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Eu escrevo desde meus catorze anos. Sempre com a intenção de se tornarem roteiros.
Sempre tive muita facilidade para criar histórias. Em 2013 usei a escrita como refúgio. Eu não tive uma oportunidade no mundo do cinema.
Sentia uma extrema necessidade de escrever, então decidi dar início a um livro. Eu já sabia como fazer, e deixei apenas que as palavras saíssem de mim.
Desde sempre meus textos não passaram de uma ficção do qual amo. Já tentei parar de escrever, mas é como parar de respirar.
Estou no meio do segundo romance, e se Deus permitir, logo será mais uma obra publicada pela Scortecci.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Acho que toda escrita deve e é, na maioria das vezes, feita com amor.
Para mim, como escritora, já me satisfaço somente em escrever uma obra. Quando amigos, e leitores desconhecidos me falam sobre minha obra, e eu vejo que foi realmente a mensagem que eu quis passar, me sinto realizada.
O trabalho de um escritor é uma conquista. Começa por um amigo que indicou pra outro, e de repente, mais um leitor oculto.
Hoje em dia vejo com mais frequência livros em mãos de viajantes de transporte público. Principalmente em metrô e ônibus.
Acredito ser uma grande evolução, tendo em vista que, tempos atrás eu só via livros em matérias de escola.
Os livros que se tornaram filmes, fazem aumentar a procura.
Quando você é reconhecido como escritor, é um momento mágico.
Como disse, é uma conquista diária. E mesmo sendo pouco valorizada, para mim, como escritora, já é gratificante, pois foi fruto do meu amor à escrita.

 Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Quando decidi fazer um livro, comecei a pesquisar sobre quais eram os procedimentos de se fazer isso. Recorri a livrarias grandes que me fecharam a porta.
Fiz pesquisas intermináveis na internet, e encontrei a Scortecci. Por eu não conhecer, fiquei receosa, mas através de e-mail ela foi me passando confiança. Investi na Scortecci, porque ela acreditou em mim. O atendimento que recebi foi o que me impulsionou a não procurar mais editoras. Foi uma troca de confiança.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Paloma Blum é um livro que surpreende o leitor.
Até o meio do livro, o leitor terá um conceito sobre ela.
Logo ao fim, com as descobertas de Daniel, o leitor terá uma nova visão sobre Blum.
Daniel quer muito ter Paloma Blum ao seu lado, e quando o momento chega, ele descobre que não está preparado, e que as coisas não saíram como ele imaginava. E é isso que faz o leitor pensar. Assim como em nossa vida, abrimos mão de tanta coisa, dando prioridade as que não deveriam ter tanta importância. E só descobrimos depois que conseguimos.
Até em nossa vida: realmente vale apena investir cegamente em algo? E fica a mensagem: "Cuidado com o que você tanto deseja, você pode conseguir.".


Obrigado pela sua participação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário