segunda-feira, 22 de agosto de 2016

Entrevista com Flávio Farah - Autor de: ÉTICA NA GESTÃO DE PESSOAS

É Mestre em Administração de Empresas pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas, Professor Universitário e especialista em Ética e Ética Empresarial.
Embora seu contato acadêmico com esses assuntos tenha ocorrido no curso de Mestrado, ele começou a estudar Ética bem antes, quando se debruçou sobre a questão do autoritarismo, característica que ainda permeia a sociedade brasileira e que está na raiz de muitas condutas antiéticas.


A Ética Empresarial assume importância cada  vez maior no Brasil.
Muitos livros, artigos e discussões sobre o assunto, porém, tratam apenas de dois tipos de conduta: as atividades da empresa que afetam o público externo – consumidores, fornecedores, governo e comunidade – e os  atos dos funcionários que atingem a empresa.
Há, porém, um terceiro tipo de relacionamento que, embora igualmente importante, parece merecer bem menos atenção dos estudiosos.
É a conduta da empresa em relação a seus empregados. Este livro busca preencher essa lacuna, discutindo regras de conduta para empresas que queiram tratar seus empregados eticamente.
Este livro trata da Ética na Gestão de Pessoas de um modo prático porém fundamentado na teoria.

Olá Flávio. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o seu Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
A obra trata das regras morais que uma empresa deveria seguir ao tratar com seus funcionários.
O livro surgiu como ampliação de minha dissertação de Mestrado.
A obra se destina principalmente a profissionais de RH (Recursos Humanos).

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
Além de Ética na Gestão de Pessoas, sou autor de um capítulo do livro Ética na vida das empresas (DVS Editora) e de um capítulo do livro Gestão de pessoas: reflexões, ferramentas e procedimentos (Ed. Ixtlan).

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Ser escritor no Brasil é difícil; mais difícil ainda é ser autor de obras não ficcionais; e a pior situação de todas é ser autor de um livro sobre um assunto técnico especializado, como é o meu caso. Por aqui, somente alguns poucos autores de ficção se dão bem.

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
Eu já tinha contatado a Scortecci na época da 1ª edição do meu livro.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Meu livro merece ser lido porque oferece conhecimento sólido, de qualidade, a seu público-alvo. A obra vale cada centavo de seu preço.

Obrigado pela sua participação.


Nenhum comentário:

Postar um comentário