domingo, 5 de março de 2017

Entrevista com Aparecido Elias Pescador que fala sobre João Elias - Autor de: A SUPOSIÇÃO DO GATO

João Elias da Silva
O escritor e poeta João Elias, nasceu a 18/11/1940 em Olhos D’Água dos Monteiros, Quebrângulo, próximo a Paulo Jacinto, Alagoas, Brasil, onde viveu a sua infância. Esta era a terra do grande escritor Graciliano Ramos, ambiente que foi base, possivelmente de livros como “Vidas Secas”, “São Bernardo” e outros da autoria do Graciliano. Ainda garoto mudou-se para a capital Maceió, bairro do Prado, onde cursou até a antiga oitava série. Quando ainda jovem veio para São Paulo e fixou-se na região noroeste; e viveu no bairro do Moinho Velho (Freguesia do Ó). Depois mudou-se e viveu por muitos anos na Vila Acre, região da Vila Bancária, Jardim Primavera, Santa Marina, Vila Penteado e circo-vizinhança. E por fim Jardim Rodrigo, região do Jardim Rincão e Parada de Taipas.
Foi casado com Marlene Zanirato, com quem dividiu seus momentos da vida madura. Ela o acompanhava nas atividades e premiações literárias, como na UBT (União Brasileira dos Trovadores), nas ricas décadas de 1980 e 1990. Foi ela quem cuidou dele na sua enfermidade, pelos longos 7 anos, 9 meses e 11 dias de convalescênça. 
Alfaiate de profissão, como se diz à moda antiga, trabalhando em casa, com a sua velha máquina de costura, fita métrica ao pescoço, esquadros, tesoura grande, e demais instrumentos e acessórios.
Teve ele longa e intensa atividade literária. Deixou muitos escritos. Em seus cadernos pessoais encontramos textos datados da década de 1950 e 1960.

Traz nesta seleção de contos a sua característica “machadiana”, com a rica descrição dos personagens, envolvendo os enredos com fortes aspectos psicológicos e até parapsicológicos, em certos pontos, focados nas experiências humanas, assuntando o cotidiano das pessoas para aguçar a curiosidade e provocar reflexão.
Esta ousadia de invadir a privacidade dos personagens, maneira tão gostosa e intrigante que nos oferece a literatura, também não deixa de nos presentear com o seu lado docemente poético, indelével. 
A sua literatura é carregada de percepções extrassensoriais, apresentadas na obra ora de forma direta, ora indiretamente, e os finais são sempre inusitados, surpreendentes, o que é uma característica de todo bom conto.
A suposição do gato sublima o amor na essência e transparência da linguagem de qualidades ostensivas, mas com mensagens simpáticas e profundas, que levam ao impacto nem sempre empírico, mas pragmático, reverente, discreto, intenso, num espírito harmônico, quando o olhar atento prova as delícias do terno enlevo e regozija as emoções individuais, uma por uma, e alimenta as nossas carências, e faz beber a alma da sua pura seiva...

Olá Aparecido Elias. É um prazer contar com a sua participação no Blog Divulgando Livros e Autores da Scortecci do Portal do Escritor.

Do que trata o Livro? Como surgiu a ideia de escrevê-lo e qual o público que se destina sua obra?
São contos.
Este livro possui contos que datam da década de 1950 até à década de 1980, aproximadamente. É uma publicação póstuma, fruto de uma promessa de sobrinho para o seu tio, no seu quase leito de morte, fato narrado no Prefácio do livro.
A obra se destina a todo o bom apreciador da literatura de qualidade.

Fale de você e de seus projetos no mundo das letras. É o primeiro livro de muitos ou apenas o sonho realizado de plantar uma árvore, ter um filho e escrever um Livro?
A literatura para nós, os Elias, é mais que um sonho ou uma paixão: é a essência da nossa própria vida. Eu comecei a ter contato e desenvolver trabalhos literários com o meu tio João Elias, quando tinha lá pelos meus 12 anos de idade. Estou com o meu quinto livro no prelo, digitando, aperfeiçoando e trabalhando ele. O seu nome será O Canto dos Anjos. o tio Joãozinho tem uma vasta literatura datilografada, à moda antiga mesmo, e pretendo lançar outros livros por ele, ou seja, eu pretendo manter acesa a sua LUZ. Ou melhor, a nossa LUZ.

O que você acha da vida de escritor em um Brasil com poucos leitores e onde a leitura é pouco valorizada?
Olha, eu tenho feito constantemente divulgação da nossa literatura, inclusive promovendo tiragens sequenciais de marcadores de páginas, com fortes mensagens, é claro. Posso afirmar que as pessoas atualmente têm me surpreendido e até emocionado com doces e ternos acolhimentos. O povo brasileiro é sensível, e apesar dos nossos graves problemas sociais, somos uma nação de gente muito amorosa. Isto é apaixonante, e não pretendo parar de semear as boas ideias e mensagens edificantes. Este é o meu foco, o meu lema, o meu alvo: você não precisa de muita coisa para ser feliz, ou seja, basta saber extrair muito do pouco que se tem, se é que posso chamar uma rica literatura de pouco!... Quero dizer que, quem valoriza e transforma a literatura em muito é o receptor (leitor).

Como você ficou sabendo e chegou até a Scortecci Editora?
É simples e direto: começamos nosso nobre trilhar na literatura no mesmo ano: 1982. Eu devo ser um dos autores mais antigos da Editora, da época da galeria da Teodoro Sampaio.

O seu livro merece ser lido? Por quê? Alguma mensagem especial para seus leitores?
Nossos livros devem ser lidos, e com atenção, amor, carinho. Trazendo agora uma palhinha do que tenho reservado para O Canto dos Anjos, este nome nasceu do profundo desejo de que meus leitores simplesmente sintam no coração, ao lerem o que produzimos com imenso amor, O SUAVE, SUBLIME, TERNO... DIVINO... CANTO DE ANJOS!

Obrigado pela sua participação.

Nenhum comentário:

Postar um comentário